Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. ASSINE AGORA >>

Publicidade

Estado de Minas Pratos principais

Filé com pasta de palmito

Receita de Leurye Guimarães, do Restaurante Liro Chefe, em Uberlândia: (34) 3253-0972


postado em 21/04/2017 09:40

(foto: Renato Weil/EM)
(foto: Renato Weil/EM)

Ingredientes:

- 2 bifes de filé mignon de 150 g cada

Para a pasta de palmito:

- 100 g de palmito picado

- 30 g de maionese

- 30 g de catupiri

- Sal a gosto

- 1 colher (café) de mostarda

Para o molho:

- 15 ml de óleo de soja

- 25 g de cebola

- 10 g de alho

- 20 g de extrato de tomate

- 30 g de demi-glace (tempero encontrado em lojas do ramo ou supermercados)

- 50 g de bacon picadinho

- 70 g de salsão

- 50 ml de água

- 30 g de champignon

Tradição:

- A manteiga dos Laticínios Calu leva a tradição das fazendas do Triângulo para todo o Sudeste do país. A empresa garante que o produto carrega o sabor do leite de fazenda. Contato: (34) 3233-6000.

Modo de Preparo:

Para a pasta, misturar os ingredientes em um recipiente. Fazer o molho refogando no óleo os ingredientes, reservando a água e o champignon. Por a água e cozinhar por 30 minutos. Coar o molho, desprezar a parte sólida e acrescentar champignon ao líquido já coado. Temperar os filés a gosto e grelhar ao ponto que desejar. Para montar, basta pôr um pedaço da carne, a pasta e cobrir com outro pedaço de filé, regando com o molho.

A sugestão de acompanhamento é arroz branco com queijo parmesão e legumes passados na manteiga.



Simples sofisticação

(foto: Renato Weil/EM)
(foto: Renato Weil/EM)

Os brasileiros têm mania de aportuguesar palavras para que caibam melhor no vocabulário popular. Desse costume nasceu a história do Bar e Restaurante Liro Chefe, em Uberlândia. Os clientes passaram a chamar o dono do estabelecimento de Little, pequeno, em inglês, por causa da estatura. A pronúncia ganhou um toque regional e acabou se transformando em Liro. Quem conta a história é o chefe do restaurante, Leurye Guimarães.

Esse uberlandense cuida dos pratos da casa, mostrando que o charme das culinárias francesa e italiana pode se juntar à competência mineira na cozinha. O cliente percebe o clima aconchegante do local e uma leve sofisticação, que não deixa ninguém sem liberdade. Quando o restaurante precisava de um prato diferente, Leurye criou o filé com pasta de palmito. E quem pensa que o chefe estudou para ficar craque na cozinha, se engana.

Ele diz que adquiriu experiência à beira do fogão. Leurye cozinha há 28 anos e tem certeza de que assistir a 1 mil palestras sobre gastronomia e culinária não substitui o famoso "pôr a mão na massa". Talvez seja por isso que ele precisa de poucas palavras para resumir sua profissão: "Cozinhar é arte".

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade