Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. ASSINE AGORA >>

Publicidade

Estado de Minas Doces e sobremesas

Chouriço doce

Receita fornecida por Anésia Rodrigues da Silva, de Santa Maria do Salto: (33) 8859-7696


postado em 19/01/2009 08:20

Ingredientes:

- 2 litros de sangue de porco (deve ser colhido no momento do abate do animal)

- 1 litro de água

- 1,5 kg de açúcar (cristal ou refinado)

- 500 g de banha de porco

- Cravo a gosto

Doces

:

- Dos frutos que florescem na terra surgem os mais deliciosos doces do Baixo Jequitinhonha. Em compota, em barra, em calda ou cristalizados, são preparados principalmente nas comunidades rurais e agradam aos mais exigentes paladares. São encontrados nas feiras ou com doceiras:Fátima Araújo (Jequitinhonha)(33) 3741-1574Anúsia Lopes (Jequitinhonha)(33) 99549591Maria dos Anjos (Santa Maria do Salto)(33) 8845-9994

Modo de Preparo:

Levar o sangue ao fogo com a água e mexer até que endureça. Passar em uma peneira e levar ao fogo novamente com a banha, o cravo e o açúcar. Mexer por cerca de 30 minutos, até que a mistura fique cremosa. Conservar em latas ou vasilhas na geladeira. No momento de servir, o doce deve ser aquecido novamente.



Saboroso estranhamento

(foto: Marcos Michelin)
(foto: Marcos Michelin)

Depois de desvendar as preciosidades da cidade de Jequitinhonha, a equipe quer descobrir outras surpresas pelas ricas cidades da região. A próxima parada é a pacata e simpática Santa Maria do Salto, a 827 quilômetros da capital. A cidade é uma verdadeira pérola, guardada entre as rochas de um vale que torna a paisagem bucólica e inspiradora. Com os moradores, que não poupam fartas doses de boa prosa, descobre-se uma tradição gastronômica de deixar de queixo caído os forasteiros.

"Chouriço doce, é isso mesmo?" O mesmo estranhamento manifestam moradores quando os viajantes relatam só conhecer a iguaria salgada, servida inclusive como tira-gosto. Quem prepara a receita local é Anésia Rodrigues da Silva, a Dona Tuta. Ela conta que a família criava porcos e, por isso, o sangue para o chouriço era obtido com fartura. Ainda assim, as doses do doce eram regradas. "Os meninos queriam comer muito, mas não pode, porque é muito gorduroso", conta.

Para acompanhar o chouriço, colheradas de farinha de mandioca, como não poderia deixar de ser. Graças à gordura, dona Tuta garante que a iguaria não se perde facilmente. O prazo de validade? Ela classifica como "para sempre, Jesus, amém".

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade