UAI
Publicidade

Estado de Minas DECISÃO POLÊMICA

Perdão de Bolsonaro a Silveira vai causar debate jurídico, diz especialista

Jurista afirma que a decisão do presidente vai gerar uma discussão em relação a forma e ao mérito; entenda


21/04/2022 20:40 - atualizado 22/04/2022 20:11

Bolsonaro durante live
Bolsonaro concedeu perdão presidencial a deputado (foto: Reprodução/Twitter)
O presidente Jair Bolsonaro (PL) anunciou, nesta quinta-feira (21/4), que vai conceder o perdão presidencial ao deputado federal Daniel Silveira (PTB-RJ)condenado pelo Supremo Tribunal Federal (STF) a oito anos e nove meses de prisão, acusado de estimular atos antidemocráticos e ameaçar as instituições.

 

 


A decisão, porém, promete gerar discussão: afinal, o benefício concedido ao deputado teria validade jurídica? 

O doutor em Direito Constitucional Lucas Paulino afirma que vai haver um debate sobre duas questões que envolvem a decisão: formal e de mérito. 

A primeira leva em conta que a decisão do STF que condenou Daniel Silveira não foi nem publicada, e seria passível de recurso. “O acórdão da decisão não foi nem publicado, caberia recurso e nem transitou em julgado ainda. Não é um ato jurídico perfeito, ou seja, ela ainda não cumpriu todo seu trâmite jurídico formal”, explica. 

Em relação ao mérito, o questionamento seria de que o presidente poderia ter cometido um abuso de poder da sua prerrogativa, com desvio de finalidade, para fraudar a Constituição e afrontar o Supremo Tribunal Federal. 

“Vai ter uma discussão sobre o mérito também, se ele ao exercer sua prerrogativa não estaria abusando dela para atentar contra a separação de poderes constitucionais, ao contrariar uma decisão tomada praticamente pela unanimidade da corte. O Supremo tem um precedente em que ele já admitiu o controle do mérito sobre o indulto. Já a graça, seria a primeira vez”, afirma o jurista. 

Segundo ele, é costume que os presidentes concedam, ao final de cada ano, o indulto. “Ele é coletivo.” Neste caso, o precedente de controle do STF poderia ser estendido para a graça também. “Com base nesse precedente, poderia se entender que o Supremo também poderia controlar a graça. Vai ser uma discussão jurídico constitucional.”

Paulino ressalta que acompanha o entendimento de que cabe um controle do mérito por ser um abuso de poder do presidente. Neste caso, o STF poderia revogar a decisão presidencial, mas não seria possível agir de ofício, ou seja, precisaria ser provocado por alguém com legitimidade para ajuizar ações de controle de constitucionalidade, como partidos políticos, por exemplo. 


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade