UAI
Publicidade

Estado de Minas PRECAUÇÃO

Avanço da Ômicron faz Assembleia de MG retomar expediente remoto

Decisão do Legislativo ocorre após sindicato de servidores pressionar por recuo em processo de flexibilização


27/01/2022 14:54 - atualizado 27/01/2022 15:07

Vista da sede da Assembleia de MG, que tem, em sua entrada, monumento que homenageia a Inconfidência Mineira
Deputados estaduais vão retornar aos trabalhos legislativos em fevereiro, após recesso (foto: Gladyston Rodrigues/EM/D.A Press)
O avanço da COVID-19 por causa da variante Ômicron fez a Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG) dar passos atrás na flexibilização de suas atividades e definir pelo retorno ao trabalho remoto a partir de segunda-feira (31/1). A ideia é dar continuidade aos trabalhos dos deputados estaduais e dos servidores administrativos, mas preferencialmente pelo home office.

A Mesa Diretora do Parlamento, presidido por Agostinho Patrus (PV), vai soltar uma deliberação detalhando as novas regras ainda nesta quinta-feira (27). Trabalhadores do Legislativo já vinham mostrando preocupação com o aumento de casos do coronavírus - ontem, o Sindicato dos Servidores da Assembleia Legislativa de Minas Gerais (Sindalemg) enviou, aos deputados da diretoria da Casa, um ofício solicitando a volta ao trabalho remoto.

As novas diretrizes da Assembleia foram definidas nesta quinta, após reunião entre os deputados da Mesa Diretora. O objetivo, segundo o Legislativo mineiro, é resguardar a proteção de parlamentares, servidores, colaboradores e visitantes.

"Mesmo com a adoção dessas medidas, as atividades do Parlamento serão mantidas, garantindo o exercício de suas funções constitucionais e preservando a segurança das pessoas", lê-se em trecho de comunicado emitido para oficializar a decisão.

Boletim da COVID-19 divulgado pela Secretaria de Estado de Saúde (SES) nesta quinta aponta que, pelo segundo dia seguido, Minas Gerais bateu a marca de 30 mil novos casos em 24 horas. O recorde de contaminações em apenas um dia foi batido ontem, quando, juntas, as 853 cidades do estado somaram 36.353 diagnósticos. O número de mortes ultrapassa 57 mil.

Ocupação de leitos em BH acende alerta


Ao citar as justificativas para o recuo, os representantes da Assembleia Legislativa mencionaram a ocupação de leitos em Belo Horizonte, sede do Legislativo estadual. Na capital, as unidades de terapia intensiva (UTIs) destinadas aos contaminados pela COVID-19 estavam 82,1% ocupadas. Nas enfermarias, o índice era ligeiramente superior: 82,2%.

No início deste mês, o Coletivo de Mulheres da ALMG enviou ofício ao setor médico do Parlamento pedindo atenção aos dados da pandemia. O grupo mostrou preocupação, sobretudo, com os trabalhadores terceirizados, que não usufruem do plano de saúde corporativo oferecido a servidores concursados e assessores ligados aos gabinetes.

Volta aos trabalhos bate à porta


O recesso de janeiro dos parlamentares estaduais mineiros está no fim. Os deputados vão retornar para o último ano de legislatura tendo que tomar decisões importantes, como a escolha do indicado da Assembleia a ocupar cadeira vaga no Tribunal de Contas do Estado (TCE)

Na disputa, estão Alencar da Silveira Júnior (PDT), Duarte Bechir (PSD), Celise Laviola e Sávio Souza Cruz (ambos do MDB). Um deles terá a missão de substituir Sebastião Helvécio, que se aposentou do posto de conselheiro da corte.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade