UAI
Publicidade

Estado de Minas SABATINA

'Reputação ilibada': Vieira é criticado por defender André Mendonça no STF

Indicado do presidente Jair Bolsonaro é sabatinado nesta quarta-feira (1/12) por senadores da República


01/12/2021 14:22 - atualizado 01/12/2021 14:32

O senador Alessandro Vieira (Cidadania-SE)
Alessandro Vieira quer André Mendonça no STF (foto: Pedro França/Agência Senado)
O senador Alessandro Vieira (Cidadania-SE) foi criticado nas redes sociais nesta quarta-feira (1/12) pela defesa à indicação de André Mendonça ao Supremo Tribunal Federal (STF). O parlamentar defendeu que temas ligados à religião de Mendonça, presbiteriano, fiquem de fora da sabatina realizada pela Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ) do Senado Federal.

"Na mesma medida em que questões religiosas devem ficar fora da indicação para o STF, devem também ficar fora da sabatina, salvo hipótese de fanatismo, o que não é o caso. São dois requisitos constitucionais: notório saber jurídico e reputação ilibada. Entendo que o indicado os cumpre", escreveu Vieira, ao tratar de Mendonça, indicado à Suprema Corte pelo presidente Jair Bolsonaro (PL).



Nas respostas ao senador, internautas questionaram sobre a dita "reputação ilibada" de André Mendonça, ex-ministro da Justiça e ex-advogado-geral da União.

"O indicado usou do cargo de Ministro da Justiça para silenciar a oposição política. Usou a sua orientação religiosa como plataforma de indicação para um cargo do judiciário (leia-se: laico). Não permita o aparelhamento ainda mais profundo do STF", rebateu o jurista Caio Machado, mestre em Direito e Ciências Sociais.



Um tuíte de Mendonça, escrito em dezembro do ano passado, também foi lembrado por pessoas que questionaram a opinião de Vieira.

"Respeito os homossexuais. Aliás, respeito é um princípio cristão! Contudo, isso não significa que o cristão deva concordar ou não possa questionar o homossexualismo com base em suas convicções religiosas. O próprio STF assim reconheceu. Os direitos às liberdades de expressão e religiosa são inalienáveis!", escreveu ele, ao defender o fim do que chamou de "perseguição" à cantora gospel Ana Paula Valadão, criticara por declarações de teor homofóbico.



Depois da sabatina de Mendonça na CCJ, o nome dele segue para apreciação no plenário do Senado Federal. Antes do agendamento da sabatina, Alessandro Vieira chegou a acionar o STF para que o presidente do comitê, Davi Alcolumbre (DEM-AP), marcasse a inquirição.

A relatora é Eliziane Gama (Cidadania-MA). Ela encaminhará ao plenário um parecer com suas considerações sobre o indicado. O documento vai nortear o voto do conjunto de senadores.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade