UAI
Publicidade

Estado de Minas CRISE NO INEP

Em MG, ministro garante o Enem: 'Não será suspenso de jeito nenhum'

Em visita a Divinópolis, Milton Ribeiro voltou a atribuir debandada do Inep a 'caráter político' e cortes de gratificações dos funcionários


18/11/2021 15:15 - atualizado 18/11/2021 15:39

O ministro da Educação, Milton Ribeiro
Ministro da Educação, Milton Ribeiro participou de encontro com prefeitos em Divinópolis (foto: Amanda Quintiliano/Esp. EM)
O ministro da Educação, Milton Ribeiro, voltou a atribuir os pedidos de demissão em massa no Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep) a “caráter político” e também financeiro. Em visita a Divinópolis, no Centro-Oeste de Minas, onde ser reuniu com prefeitos, nesta quinta-feira (18/11), ele garantiu a realização do Exame Nacional de Ensino Médio (Enem), marcado para os dias 21 e 28 de novembro.

LEIA TAMBÉM: Presidente do Inep admite que itens são incluídos e retirados do Enem

Ribeiro participou ontem de audiência na Comissão de Educação da Câmara Federal para explicar a debandada do Inep e também a suposta interferência na elaboração de questões sensíveis ao governo. Trinta e sete servidores deixaram o cargo alegando “fragilidade técnica e administrativa da atual gestão máxima”.

Em Divinópolis, o ministro foi recebido por um pequeno grupo de manifestantes. Em entrevista à imprensa, deu o assunto como encerrado afirmando que ele está “superado” e que não tem influência nenhuma para decidir sobre as questões das provas.

LEIA TAMBÉM: Deputados protocolam ação contra ministro por 'interferência política' no Enem

“Voluntariamente fui à Câmara e expliquei. Um movimento mais de caráter político do que acadêmico”, declarou. Ribeiro disse que as demissões ocorreram devido a cortes de gratificações e que os que decidiram sair são “altamente politizados”.

Manifestação em Divinópolis
Um pequeno grupo de manifestantes pedia a manutenção das cotas raciais, transparência com o Enem e reajuste do piso salarial da educação (foto: Amanda Quintiliano/Esp. EM)

“Dos 37, os 37 recebem gratificação, os que mais recebem, tem alguns que recebem só de gratificação R$ 60 mil a R$ 100 mil por ano. Agora eles vêm falar que não foi por causa de dinheiro. Eu respeito, mas não acredito”, disparou.

Assegurando a realização do exame, o ministro disse que as provas estão impressas há mais de três meses. “Não será suspenso de jeito nenhum. As questões fazem parte de um grupo de questões que estão preparadas desde três, quatro anos”, argumentou.

Ribeiro também usou o pronunciamento para se explicar. Voltou a dizer que a prova terá a cara do governo no sentido “ético, competente, honesto, sério”. 

A Defensoria Pública da União (DPU) entrou ontem na Justiça pedindo que o Inep comprove que o exame será realizado em segurança. Ele terá o prazo de 24 horas para responder aos questionamentos sobre as medidas tomadas para que a saída dos servidores não prejudique a realização do exame e nem o coloque em risco com vazamento de informações.

“Nunca houve vazamento. A sala é segura, a Polícia Federal está cuidando de tudo, não tem perigo”, assegurou Ribeiro.


Encontro regional

O encontro em Divinópolis integra a agenda de aproximação dos gestores municipais ao Ministério da Educação. “O que estou fazendo aqui é trazendo a minha equipe, a mesma que um prefeito se abala para ir a Brasília, o mesmo tipo de atendimento que ele teria lá, ele tem aqui”, explicou.

Os prefeitos e secretários municipais puderam tirar dúvidas sobre elaboração de projetos, por exemplo, para construção de creches e escolas.

Também foi assegurado a liberação de R$ 3 milhões em emendas do deputado federal Domingos Sávio (PSDB) para a construção da Escola Municipal Darcy Ribeiro. Demanda antiga do município, o projeto ainda está em fase de conclusão na prefeitura.

*Amanda Quintiliano - Especial para o EM
 


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade