UAI
Publicidade

Estado de Minas Alto Paranaíba

Patos de Minas pode ter o segundo vereador cassado em menos de 30 dias

Depois de Marquim das Bananas perder o cargo por suposto assédio sexual, Lásaro Borges é acusado de estelionato eleitoral


17/11/2021 14:40 - atualizado 17/11/2021 14:47

vereadores durante reunião na Câmara de Patos de Minas
Lásaro Borges foi reeleito com 732 votos em 2020 (foto: Lélis Félix/Divulgação)
O Partido Social Democrático (PSD) pode ter o segundo vereador cassado em Patos de Minas, no Alto Paranaíba. Em 4 de novembro, Marcos Antônio Rodrigues, o Marquim das Bananas, perdeu o mandato por quebra de decoro parlamentar devido a acusação de assédio sexual. Agora outro membro da sigla será julgado na quinta-feira (18).
 
Lásaro Borges é acusado de enganar Francisco Gonçalves, de 69 anos. A acusação argumenta que o vereador ofereceu um cargo de motorista em troca dos serviços de cabo-eleitoral. Após a vitória, Lásaro teria contratado o idosos e reiscindido o contrato de trabalho logo na sequência. Durante os depoimentos, o denunciante também citou que recebeu dinheiro para comprar votos.
 
O vereador nega todas as acusações. Durante as duas oitivas, ele argumentou que a denúncia seria infundada e de cunho político. Segundo o vereador, nunca houve oferta de emprego em troca do serviço de cabo-eleitoral, tampouco pedido de compra de votos. Além disso, citou que só contratou o Francisco Gonçalves após grande insistência.
 
Comissão recomendar cassar o mandato
 
O julgamento da conduta ética de Lásaro Borges (PSD) já tem data marcada. A sessão acontecerá na próxima quinta-feira (18/11) a partir das 13h30 no plenário da Câmara de Vereadores de Patos de Minas.
 
A comissão processante emitiu um parecer de 33 páginas e opinou pela cassação de Lásaro Borges por quebra de decoro. A decisão foi unânime, ou seja, os três membros da comissão opinaram pela condenação. “Conclui-se que há grande divergência entre os depoimentos e documentação comprobatória juntada”, escreveram no parecer.
 
Para cassar o mandato são necessários dois terços dos votos, ou seja, 12 votos favoráveis. O denunciado, Lásaro Borges, não vota. O próximo suplente do Partido Social Democrático (PSD) é o professor Wanderlei Rodrigues Resende, que teve 551 votos.
 
A comissão é composta por Daniel Amorim Gomes (PDT) - presidente, Gladston Gabriel da Silva (PODEMOS) - relator e Elizabeth Maria Nascimento e Silva (DEM).
 
O que dizem as partes
 
Procurado nesta terça-feira (16/11), o advogado de defesa, Abelardo Medeiros Mota, afirmou que ficou surpreso com a eficiência da comissão processante. Os argumentos finais, por escrito, foram entregues na sexta-feira (12) e já nesta terça-feira (16) houve a emissão do parecer final. "Eficiência invejável", ironizou.
 
Abelardo Medeiros destacou que a sessão de julgamento já era esperada e está dentro da previsão legal. Ele disse que não tem a intenção de apresentar nenhum recurso contra a realização. Por fim, salientou que a defesa não faz manobra ou articulação, apenas apresentada fatos, o que também será feito na quinta-feira.
 
Já o advogado do denunciante, Thiago Queiroz, parabenizou o trabalho da comissão processante. "Apurou com sabedoria os fatos alegados na denúncia, com todas as provas produzidas e depoimentos necessários".
 
Sobre a sessão de julgamento, Thiago Queiroz afirmou que a expectativa é por Justiça e que espera que todo o contexto seja considerado, inclusive as sentenças do judiciário.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade