UAI
Publicidade

Estado de Minas DEMITIDO 15 DIAS DEPOIS

Mandetta sobre mortes na Prevent: 'Alertei e fui impedido de trabalhar'

Ex-ministro postou vídeo de março de 2020, no qual comentava o número elevado de óbitos no hospital Santa Maggiore, da Prevent Senior


23/09/2021 17:24 - atualizado 23/09/2021 18:28

Luis Henrique Mandetta, ex-ministro da Saúde
Luis Henrique Mandetta, ex-ministro da Saúde (foto: Marcello Casal Jr/Agência Brasil)

O ex-ministro da Saúde Luiz Henrique Mandetta divulgou um vídeo de março de 2020 no qual ele comentava o número elevado de mortes no hospital Santa Maggiore, da Prevent Senior. 
 
No post, o ministro relata que foi impedido de trabalhar. “31 de março de 2020. Alertei. Fui impedido de trabalhar no dia 16 de abril. Quanta barbaridade”, escreveu.
 
“No momento que entrou ali dentro, você já não consegue tirar as pessoas de lá porque elas estão em isolamento ali dentro, você não sabe quem vai apresentar a doença ou não… você todas aquelas pessoas imunossuprimidas e você já fez 80 mortos de um total de 136”, diz. “80 em um lugar só…”, completa Mandetta.
 
 

Confira o vídeo:

 
Mandetta foi demitido 15 dias depois de fazer o alerta.
 

A Prevent Senior está sendo acusada de ocultar mortes de pacientes que participaram de estudo realizado para testar a eficácia da hidroxicloroquina contra COVID-19.

A pesquisa foi apoiada pelo presidente Jair Bolsonaro (sem partido) e divulgada como solução contra a pandemia. 
 
 
A informação foi publicada em primeira mão pela TV Globo, que afirmou que a CPI da COVID recebeu um dossiê com uma série de denúncias de irregularidades, elaborado por médicos e ex-médicos da Prevent. 
 
No documento, é citado que a disseminação da cloroquina e outras medicações foi resultado de um acordo entre o governo Bolsonaro e a Prevent. Segundo o dossiê, o estudo foi um desdobramento do acordo.
 

Código de classificação da COVID 

Na CPI da COVID, Pedro Batista Júnior, diretor da Prevent Senior, afirmou que os hospitais da rede alteravam o código de classificação do vírus.
 
De acordo com o diretor, após os pacientes ficarem 14 dias internados com o vírus, o diagnóstico era alterado.
 
“A mensagem é clara: todos os pacientes com suspeita ou confirmados de COVID, na necessidade de isolamento, quando entravam no hospital, precisavam receber o B34.2, que é o código de COVID, e, após 14 dias – ou 21 dias, para quem estava em UTI –, se esses pacientes já tinham passado dessa data, o código poderia já ser modificado, porque eles não representavam mais risco para a população do hospital”, disse o diretor. 

 


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade