UAI
Publicidade

Estado de Minas DISPUTA INTERNA

Após Doria chamar Aécio de covarde, PSDB de MG repudia falas do governador

Declaração de Doria expõe racha no partido, que escolherá em novembro o candidato da sigla à Presidência da República


24/08/2021 18:17 - atualizado 24/08/2021 18:17

Aecio Neves e João Doria: brigas internas antes da escola de candidato da legenda à Presidência(foto: Redes Sociais/Reprodução)
Aecio Neves e João Doria: brigas internas antes da escola de candidato da legenda à Presidência (foto: Redes Sociais/Reprodução)
Após o governador de São Paulo, João Doria (PSDB), disparar uma série de ataques ao deputado federal Aécio Neves (PSDB-MG), o presidente do partido em Minas Gerais, o também deputado federal Paulo Abi-Ackel, repudiou as falas. A declaração de Doria expõe racha no partido, que escolherá em novembro o candidato da sigla à Presidência da República.

“Em nome do PSDB de Minas Gerais lamento profundamente, mais uma vez, que o governador João Doria ataque o deputado federal Aécio Neves, usando termos que extrapolam as divergências políticas e que não são usuais para quem ocupa um cargo como o dele”, escreveu Abi-Ackel.

Em entrevista no programa Roda Viva, Doria chamou Aécio de “covarde” e “pária dentro do PSDB”. O governador defendeu que o parlamentar peça afastamento da legenda por causa das denúncias de corrupção que enfrenta.

Para Abi-Ackel, Doria desconsiderou toda a carreira política do ex-governador de Minas e esqueceu que "Aécio tem uma enorme folha de contribuições ao próprio PSDB, partido que presidiu”.

Ainda de acordo com o deputado mineiro, a postura do governador paulista é prejudicial para o convívio democrático, sobretudo em tempos de radicalização política tão contestada pelo PSDB. “A postura do governador Doria não ajuda o partido”, afirmou o presidente do PSDB mineiro.

“Pelas inverdades, pelo excesso, pela grosseria e pela extravagância, trata-se de uma afronta às pessoas do bem, aos princípios democráticos e às tradições do PSDB, que tem ou teve em seus quadros em São Paulo, personagens como Franco Montoro, Mário Covas, Fernando Henrique Cardoso, José Serra e Geraldo Alckmin, que jamais seriam capazes de trazer a nível tão baixo o trato das questões políticas ou divergências pessoais”, afirmou.

Abi-Ackel afirmou ainda que, aos mineiros, as palavras de Doria soam com indignação e espanto. “O comportamento de Doria não ajuda o PSDB”, finalizou.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade