Publicidade

Estado de Minas APELO

Após recusar doses, Bolsonaro pede à Pfizer para antecipar vacinas

Presidente quer que farmacêutica entregue o quanto antes as doses referentes ao primeiro contrato, que terá último lote distribuído em setembro


14/06/2021 23:05 - atualizado 14/06/2021 23:49

Bolsonaro recusou ofertas da Pfizer no ano passado(foto: Marcos Corrêa/PR)
Bolsonaro recusou ofertas da Pfizer no ano passado (foto: Marcos Corrêa/PR)
O Ministério da Saúde informou nesta segunda-feira (14/6) que o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) teve encontro com representantes da Pfizer para pedir antecipação da entrega de doses de vacina para a população. Ele se reuniu virtualmente com o presidente da farmacêutica na América Latina, Carlos Murillo.
 
Em depoimento à CPI da COVID no Senado, o próprio Murillo afirmou que o Governo Federal havia recusado no segundo semestre de 2020 a oferta de compra de 70 milhões de vacinas. Os imunizantes tinham entrega prevista a partir de dezembro.

A empresa alegou ainda que tinha feito uma série de tratativas para o fornecimento da vacina ao Brasil, até então sem sucesso.

A justificativa do governo federal era de que a Pfizer não se responsabilizava por eventuais efeitos colaterais da vacina.

O Governo firmou dois contratos com a Pfizer, cada um para a compra de 100 milhões de doses. Neste mês, está prevista a entrega de 12 milhões de imunizantes. Além disso, o vínculo prevê mais 8 milhões de doses em julho e 76 milhões em agosto e setembro. 

"Um dos assuntos tratados foi exatamente a possibilidade de antecipar as doses inicialmente contratadas. A gente tem o primeiro contrato de 100 milhões de doses cujo cronograma estima até setembro receber a totalidade dessas doses. O que a gente pediu, entre outros assuntos, foi verificar a possibilidade de antecipar ao máximo as doses contratadas dentro deste primeiro contrato", afirmou o secretário-executivo do Ministério da Saúde, Rodrigo Cruz.

A partir de outubro, estará em vigência o segundo compromisso, mas o Ministério da Saúde não detalhou quantas vacinas chegarão em cada mês. 

No encontro virtual com a Pfizer, Bolsonaro esteve acompanhado dos ministros da Saúde, Marcelo Queiroga; da Casa Civil, Luiz Eduardo Ramos; das Relações Exteriores, Carlos França; além do presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, e do secretário de Assuntos Estratégicos da Presidência, almirante Flavio Rocha. 


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade