Publicidade

Estado de Minas MEIO AMBIENTE

Governadores ignoram Bolsonaro e mandam carta para Joe Biden sobre clima

A um dia da cúpula do clima, 24 chefes do Executivo enviam carta a Biden em busca de intercâmbio, inclusive, sem a interferência do governo brasileiro


21/04/2021 06:00 - atualizado 21/04/2021 08:37

"Os estados brasileiros têm responsabilidades e compromissos independentes do governo federal. Nós queremos que o governo federal esteja junto, mas nós podemos desenvolver as nossas ações, com mais dificuldade, independentemente do governo federal" - Renato Casagrande, governador do Espírito Santo (PSB), que articulou a carta enviada ao presidente dos EUA, Joe Biden (foto: Paulo Filgueiras/EM/DA Press - 17/2/20)


Brasília – Vinte e quatro governadores brasileiros, inclusive o de Minas Gerais, Romeu Zema, entregaram ao embaixador americano no Brasil, Todd Chapman, uma carta endereçada ao presidente dos EUA, Joe Biden, em que se comprometem com a “emergência climática global” e pedem cooperação para questões ambientais no país. Chamado Coalizão Governadores pelo Clima, o grupo pretende fazer contraponto ao governo Bolsonaro, criticado mundo afora por sua política ambiental às vésperas da Cúpula de Líderes sobre o Clima, convocada por Biden, que começa amanhã. Eles não descartam, inclusive, atuar diretamente com países estrangeiros caso o governo brasileiro se omita. Apenas três governadores não assinam o documento – Santa Catarina (Carlos Moisés), Rondônia (coronel Marcos Rocha) e Roraima (Antonio Denarium).

Na semana passada, o presidente Jair Bolsonaro enviou carta a Biden se comprometendo pela primeira vez a zerar o desmatamento ilegal no Brasil até 2030, de busca de financiamentos dos EUA. “Queremos reafirmar, nesse ato, em inequívoco apoio aos esforços empreendidos por V. Excelência, o nosso compromisso de eliminar o desmatamento ilegal no Brasil até 2030”, escreveu Bolsonaro na carta. Mas, descontentes da atuação do governo federal, governadores brasileiros resolveram iniciativa direta com Washington. “Foi uma conversa boa com o embaixador americano; ele prometeu que enviará hoje ainda a carta à Casa Branca e pedimos a ele uma conexão e um canal de comunicação com o governo americano para que possamos tratar do tema das mudanças climáticas. É uma articulação de toda a sociedade”, disse o governador do Espírito Santo, Renato Casagrande, que articulou o documento e que estava na reunião virtual com os seus colegas Paulo Câmara (PE), representando o Nordeste, Helder Barbalho (PA), pelo Norte, e Mauro Mendes (MT), pelo Centro-Oeste.

“A coalizão Governadores pelo Clima, ampla e diversa, envolvendo progressistas, moderados e conservadores, de situação e de oposição, sinaliza o desejo do Brasil por união e construção colaborativa de soluções em defesa da humanidade e de todas as espécies de vida que estão ameaçadas pela degradação de ecossistemas”, afirma a carta. Segundo Casagrande, estas ausências não são um problema. Ele acredita que os governadores dos três estados não discordam do documento, apenas não devem ter assinado a carta por outras questões.

O governador capixaba afirmou ainda que o documento não é uma afronta ao governo federal: “Nestes últimos dois anos e pouco, o governo federal não deu muita atenção ao tema ambiental, mas queremos que ele dê, e estamos fazendo isso para que o governo federal possa recuperar a sua prática, entrar no tema e nós também entrarmos no tema, junto com toda a sociedade brasileira”.

Casagrande, entretanto, não descarta atuação direta dos estados com países estrangeiros se o governo brasileiro se omitir, repetindo o que ocorreu durante o governo de Donald Trump. “Os estados brasileiros têm responsabilidades e compromissos independente do governo federal. Nós queremos que o governo federal esteja junto, mas nós podemos desenvolver as nossas ações, com mais dificuldade, independentemente do governo federal. “Os governadores do Brasil abaixo subscritos, representantes de estados que compreendem mais de 90% do território nacional, manifestam interesse no desenvolvimento de parcerias e de estratégias de financiamento, visando impulsionar o equilíbrio climático, a redução de desigualdades, a regeneração ambiental, o desenvolvimento de cadeias econômicas verdes e o estímulo à adoção de tecnologias para reduzir as emissões de atividades econômicas tradicionais nas Américas, além do esforço conjunto na construção de uma sociedade mais saudável e resiliente a pandemias”, diz um trecho do documento.

A carta aponta ainda que os governadores estão comprometidos com a redução da emissão dos gases do efeito estufa, promoção de energias renováveis, combate ao desmatamento, cumprimento do Código Florestal para conservação das florestas e da vegetação nativa, melhoria da eficiência na agropecuária, proteção e bem-estar dos povos indígenas e demais comunidades tradicionais e  busca de formas consorciadas de viabilizar massivos reflorestamentos.

“Ao mesmo tempo, buscam-se soluções concretas para a superação da pobreza, ainda prevalente em nosso continente, em especial nas áreas de florestas. Estas são ações que, além da remoção de carbono, da proteção da biodiversidade e da redução da pobreza, podem evitar futuras pandemias”, afirma também o documento. Sem se referir ao governo federal, o documento pede cooperação direta com Washington: “Expressamos nossa intenção de implementar ações conjuntas, propondo a cooperação entre os EUA e os governos estaduais brasileiros, responsáveis pela maior parte da floresta amazônica, a mais extensa floresta tropical do mundo, e de outros biomas que, somados, abrigam a mais ampla biodiversidade já registrada e que são capazes de regular ciclos hídricos e de carbono em escala planetária”.

Os governadores indicam também que podem receber recursos americanos: “Nossa parceria pode somar rapidamente capacidade técnica, grandes áreas regeneráveis de terra e governanças locais, com a imensa capacidade de investimentos da economia americana, conectando políticas públicas, conhecimentos científicos, instrumentos inovadores e iniciativas empresariais”.

Assinam a carta Gladson Cameli (Acre), Renan Filho (Alagoas), Waldez Góes (Amapá), Wilson Lima (Amazonas), Rui Costa (Bahia), Camilo Santana (Ceará), Ibaneis Rocha (Distrito Federal), Renato Casagrande (Espírito Santo), Ronaldo Caiado (Goiás), Flávio Dino (Maranhão), Mauro Mendes (Mato Grosso), Reinaldo Azambuja (Mato Grosso do Sul), Romeu Zema (Minas Gerais), Helder Barbalho (Pará), João Azevêdo (Paraíba), Carlos Roberto Massa Junior (Paraná), Paulo Câmara (Pernambuco), Wellington Dias (Piauí), Cláudio Castro (Rio de Janeiro), Fátima Bezerra (Rio Grande do Norte), Eduardo Leite (Rio Grande do Sul), João Doria (São Paulo), Belivaldo Chagas (Sergipe) e Mauro Carlesse (Tocantins).

Aproximação com o setor produtivo

Brasília – O Brasil chega à Cúpula de Líderes sobre Clima sob forte pressão interna e externa, por causa do avanço do desmatamento. Bolsonaro enviou carta ao presidente dos EUA, Joe Biden, na semana passada, se comprometendo a acabar com  o desmatamento na Amazônia até 2013. Internamente, ele fez ontem mais um esforço para se aproximar do setor produtivo, ao convocar dez ministros para a primeira reunião do ano com empresários do 'Diálogos pelo Brasil', grupo criado pelo presidente da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), Paulo Skaf, para mediar a relação do setor com o governo.

No fim da reunião, os empresários cobraram um posicionamento do governo em relação à cúpula do clima, como apresentação de metas para a área.. Skaf pediu outra reunião para hoje, com a presença dos ministros do Meio Ambiente, Ricardo Salles, e da da Agricultura, Tereza Cristina, do embaixador Leonardo Athayde, negociador da agenda do clima, para discutir a questão climática.

No momento em que Salles é alvo de notícia-crime do ex-superintendente da Polícia Federal no Amazonas Alexandre Saraiva, acusado de obstruir investigação ambiental e favorecer madeireiros investigados pela PF, e na véspera do início da Cúpula do Clima nos Estados Unidos, o tema ambiental  foi uma preocupação dos empresários.

O evento de ontem foi realizado por videoconferência e contou com a presença de 40 grandes empresários e executivos do país. Entre eles estavam Abílio Diniz (Península), André Bier Gerdau Johannpeter (Gerdau), André Esteves (BTG Pactual), Wesley Batista Filho (JBS), Rubens Ometto (Cosan) e Luiz Carlos Trabuco (Bradesco). 

Segundo participantes do encontro, Bolsonaro fez crítica indireta aos governadores ao reclamar do "abre e fecha" do comércio, elogiou o ministro da Economia, Paulo Guedes, e disse que "não teme" a CPI da COVID que está sendo instalada no Senado para investigar as ações do governo federal contra a pandemia. O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, presente no encontro, fez um balanço das ações federais. Skaf foi o único a falar em nome dos empresários e apresentou uma lista com três "demandas" do setor, combinadas previamente em um grupo de WhatsApp: ampliação e aceleração da vacinação, reforma administrativa e um bom ambiente econômico.

Empresários pressionam ministérios



A presidente do CEBDS, Marina Grossi, diz que empresariado fazasua parte (foto: Tiago Queiroz/Estadão Conteúdo)
A presidente do CEBDS, Marina Grossi, diz que empresariado fazasua parte (foto: Tiago Queiroz/Estadão Conteúdo)
São Paulo – Além dos governadores de 24 estados que enviaram carta ao presidente dos EUA, Joe Biden, preocupados com a questões ambientais, empresários brasileiros também estão preocupados e pressionam o governo federal a adotar medidas mais ambiciosas na Cúpula de Líderes sobre o Clima, que começa amanhã. Mas, diante da falta de diálogo com o governo, eles começam a adotar medidas e acordos paralelos para “contenção de danos”, que podem reduzir os efeitos negativos da atuação federal. Um eventual isolamento do país na questão climática teria impactos ainda piores sobre as empresas brasileiras. 

“O setor empresarial está fazendo sua parte, não apenas se posicionando, mas apresentando propostas práticas, com metas e passos claros. Enviamos uma carta aos ministérios da Economia, Meio Ambiente, Agricultura e Relações Exteriores mostrando que, se o Brasil adotar compromisso de emissão neutra até 2050, terá ganhos econômicos e reputacionais”, disse a presidente do Conselho Empresarial Brasileiro para o Desenvolvimento Sustentável (CEBDS), Marina Grossi.

O documento, assinado por Bayer, Braskem, BRF, Bradesco, Ipiranga, Itaú, JBS, Lojas Renner, Marfrig, Natura, Shell, Siemens e Votorantim, entre outras, diz que com o compromisso da neutralidade “até US$ 17 bilhões possam ser gerados no país a partir de negócios com base na natureza até 2030”. E que “o Produto Interno Bruto também pode ter crescimento vertiginoso com a implantação de práticas de baixo carbono, atingindo um ganho total acumulado de R$ 2,8 trilhões até 2030 em relação à trajetória atual”.

A ideia do grupo da CEBDS é criar meta adicional à redução de 37% na emissão de gases que causam o efeito climático até 2025 e de 41% até 2030, celebrada pelo país em 2015, no Acordo de Paris, e confirmada em dezembro de 2020 pelo governo. Mas foi apenas uma correspondência às autoridades, sem reuniões ou interações que pudessem balizassem a atuação do governo na cúpula.

A pressão empresarial  em meio a notícias negativas na área ambiental, como a mudança no comandop da Polícia Federal no Amazonas, que tinha postura independente, por um nome alinhado ao Palácio do Planalto, e a divulgação de que o desmatamento na Amazônia registro o pior mês de março dos últimos dez anos.

A postura do governo brasileiro, que tem afirmado que o país responde por apenas 3% das emissões do mundo e que é necessário receber recursos externos antes de reduzir a devastação ambiental, causa desconfiança da cúpula de Biden. Marina Grossi afirma que na gestão Bolsonaro se intensificou a interlocução direta de governos estrangeiros com governadores da Amazônia. O setor privado, então, vai na mesma linha e já busca cenários para “conter danos” caso o Brasil amplie seu isolamento na cúpula.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade