Publicidade

Estado de Minas VÍDEO

Bolsonaro a apoiador que fez gesto considerado nazista: 'Pega mal pra mim'

Presidente pediu que partidário apagasse foto em que posou ao seu lado fazendo o sinal atribuído a grupos supremacistas; registro foi em fevereiro de 2020


26/03/2021 07:32 - atualizado 26/03/2021 10:14

No ano passado, Bolsonaro pediu para apoiador apagar foto após gesto considerado nazista(foto: Reprodução/Youtube)
No ano passado, Bolsonaro pediu para apoiador apagar foto após gesto considerado nazista (foto: Reprodução/Youtube)
O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) já censurou um apoiador que tirou uma foto ao seu lado fazendo o mesmo gesto atribuído ao assessor especial para Assuntos Internacionais do Planalto, Filipe Martins, durante audiência do Senado Federal realizada nessa quarta-feira (24/3). A cena foi registrada em vídeo no dia 20 de fevereiro do ano passado.



No Brasil, o sinal geralmente significa "ok". Dependendo do contexto, pode assumir uma conotação obscena, numa referência ao ânus. Já nos Estados Unidos, supremacistas brancos se apropriaram do gesto e o fazem para exaltar o "white power" ou "poder branco". Martins, porém, negou qualquer apologia aos nazifascistas e argumentou que, no evento no Senado, estava apenas ajeitando a lapela do terno. 

O episódio entre Bolsonaro e seu partidário foi filmado em frente ao Palácio da Alvorada, em Brasília. Na ocasião, um homem branco com a cabeça raspada se aproximou do chefe do Executivo para tirar uma foto ao lado dele e fez o famigerado símbolo com a mão esquerda. Ao notar o gesto, o presidente se afastou e disse: “Esse gesto aí… (inaudível) gesto bacana, mas pega mal para mim”. Um segurança então pediu: “Apaga essa foto aí”.

Nas imagens, transmitidas ao vivo por um canal no Youtube, Bolsonaro também aparece alertando à sua equipe que preste atenção nos sinais feitos pelas pessoas que o cercam. 

Caso sob apuração

O presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM) disse nessa quinta-feira (25/3) que solicitou à Secretaria Geral da Mesa que apure o gesto feito por Filipe Martins. O pedido de investigação partiu do senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP).

O sinal foi feito durante o dicurso que Pacheco proferiu essa quarta-feira (24/3) na sala de transmissão da sessão temática remota do Plenário do Senado. O assessor de Bolsonaro acompanhava o ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, um dos convidados do evento. Enquanto Pacheco discursava, Martins, que estava sentado atrás do senador, fez o gesto usando a mão direita.



'Judeu'

Em sua conta no Twitter, Filipe Martins argumentou que é judeu e negou a reverência ao movimento white power.

“Um aviso aos palhaços que desejam emplacar a tese de que eu, um judeu, sou simpático ao ‘supremacismo branco’ porque em suas mentes doentias enxergaram um gesto autoritário numa imagem que me mostra ajeitando a lapela do meu terno: serão processados e responsabilizados; um a um”.

(foto: Twitter/Reprodução)
(foto: Twitter/Reprodução)

Filipe também publicou imagens do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e do youtuber Felipe Neto fazendo gestos semelhantes aos dele, numa tentativa de mostrar que se trata de uma espécie de cacoete. 

Filipe Martins argumenta que gesto foi apenas um cacoete(foto: Twitter/Reprodução)
Filipe Martins argumenta que gesto foi apenas um cacoete (foto: Twitter/Reprodução)



receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade