Publicidade

Estado de Minas LAVA-JATO

Pesquisa: maioria não aprovou Fachin anular processos contra Lula

Pesquisa divulgada nesta segunda-feira aponta que 57 consideram justa a condenação sentenciada pelo então Juiz Sérgio Moro


22/03/2021 09:20 - atualizado 22/03/2021 13:34

ministro Edson Fachin anulou processos contra Lula na Lava-Jato(foto: AGÊNCIA SENADO)
ministro Edson Fachin anulou processos contra Lula na Lava-Jato (foto: AGÊNCIA SENADO)

Pesquisa do Instituto DataFolha, divulgada nesta segunda-feira (22/03), aponta que 57% dos entrevistados (2.023) consideram justa as sentenças do então Sérgio Moro, que condenaram o ex-presidente Luiz Iácio Lula da Silva (PT) na Operação Lava-Jato.

O levantamento foi realizado entre os dias 15 e 16/03.

Moro condenou Lula, no caso do apartamento tríplex no Guaraujá, litoral paulista, a nove anos e seis meses de cadeia, pena revisada em segunda instância para 12 anos e 1 mês, e depois reduzida a oito anos e 10 meses pelo Superior Tribunal de Justiça (STJ).

Também foi anulada a sentença que condenou Lula a 12 anos e 11 meses no processo em Curitiba sobre o sítio de Atibaia — pena que subiu a 17 anos e 1 mês na revisão da segunda instância, no TRF-4 (Tribunal Regional Federal da 4ª Região), em Porto Alegre.

Foram transferidos ainda dois processos referentes a doações de empreiteiras ao Instituto Lula, que não haviam sido julgados.

Decisão de Fachin


Quatro anos depois da primeira condenação, no caso do tríplex, o ministro Edson Fachin decidiu no dia 09/03 anular todos os processos.

Para 51% dos entrevistados do DataFolha, entre os dias 15 e 09 /03,  Fachin agiu mal, enquanto 42% acreditam que fez o certo. Não souberam responder 6%.

Lula elegível


Em relação ao efeito principal da decisão de Fachin, a elegibilidade neste momento de Lula, a maioria (51%) não quer que Lula dispute as eleições de 2022 , enquanto 47% querem que o petista concorra.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade