Publicidade

Estado de Minas CONTRADIÇÃO

Cartão de vacina da mãe de Bolsonaro indica lote da CoronaVac, diz site

Intervalo indicado para aplicação da segunda dose é compatível com o imunizante chinês, não com o de Oxford. Bolsonaro já havia ironizado a vacina 'da China'


22/02/2021 07:24 - atualizado 22/02/2021 08:46

(foto: Facebook/Reprodução)
(foto: Facebook/Reprodução)
No cartão de vacinação contra a COVID-19 que Bolsonaro apresentou na última quinta-feira (18/2) como sendo de sua mãe há indícios de que a idosa tomou CoronaVac - e não o imunizante de Oxford/AstraZeneca, como afirma o presidente. 


Segundo Schelp, no documento atribuído a Olinda Bonturi Bolsonaro, exibido pelo mandatário em sua live semanal, consta um número de lote compatível com o produto chinês e não com a dose produzida pela Fiocruz.  

Outra pista de que a senhora não teria recebido o composto de Oxford é a data prevista para a dose reforço: 5 de março, 22 dias após a aplicação da primeira dose. O intervalo é compatível com o esquema vacinal da CoronaVac. A substância do Reino Unido prevê revacinação dentro de três meses. 

Aos 93 anos, Olinta Bolsonaro foi vacinada em casa, na cidade de Eldorado, no interior de São Paulo. 

O comprovante apresentado pelo presidente foi preenchido com o nome completo da idosa, data de inoculação  da primeira dose (12/02/2021), lote da vacina (200278), nome do fabricante (Oxford), nome do aplicador (Walter) e do registro profissional dele (317.633). A lápis, consta ainda a data recomendada para a segunda dose - (05/03/2021).

De acordo com Schelp, o lote 200278 aparece no site do Instituto Butantan como um dos dezesseis da CoronaVac que receberam autorização emergencial da Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) em 22 de janeiro.

Os lotes da vacina de Oxford distribuídos em São Paulo, observa o colunista, são diferentes: 4120Z004 e o 4120Z005.

Schelp argumenta, por fim, que dados oficiais do governo federal indicam que nenhum morador de Eldorado recebeu a vacina de Oxford em 12 de fevereiro, data em que a mãe do presidente teria sido vacinada. 

Informações publicadas no site do Ministério da Saúde apontam que as últimas dez doses desse imunizante foram administradas três dias antes, em 9 de fevereiro. 


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade