Publicidade

Estado de Minas EXECUTIVO E LEGISLATIVO

Posse de vereadores garante base forte para Kalil na Câmara

Em evento sem presença do prefeito, 24 novos vereadores estreiam na Casa. Mais da metade dos 41 parlamentares dessa legislatura serão aliados de Kalil


01/01/2021 04:00 - atualizado 01/01/2021 07:24

Kalil contará com amplo cordão de apoio entre os parlamentares de diversos partidos(foto: Edésio Ferreira/EM/D.A Press 18/12/20)
Kalil contará com amplo cordão de apoio entre os parlamentares de diversos partidos (foto: Edésio Ferreira/EM/D.A Press 18/12/20)
Com base forte na Câmara Municipal de Belo Horizonte, o prefeito da capital mineira, Alexandre Kalil (PSD), iniciará 2021 com o pé direito, ao menos na questão política. No mínimo metade dos 41 vereadores que tomarão posse em evento nesta sexta-feira serão aliados do chefe do Executivo.

Na solenidade, que acontece a partir das 14h, o reeleito Kalil e o vice, Fuad Noman, do mesmo partido, participarão de forma remota. Os pessedistas formarão a maior bancada da Casa a partir de 2021, com seis parlamentares.

Vinte e quatro empossados vão iniciar o primeiro mandato no Parlamento belo-horizontino. O número de estreantes é o maior, no mínimo, do que o das últimas três eleições municipais. Em 2016, 38 tentaram a reeleição para a Câmara de BH, mas 18 conseguiram ficar no cargo.

Em 2012, 19 parlamentares foram reeleitos. Já em 2008, a manutenção de vereadores para a próxima legislatura foi de 24 nomes. Em face do novo coronavírus, cada empossado poderá levar dois convidados para assistir à cerimônia, que será transmitida pela internet.

O primeiro dia do novo ano será marcado, também, pela definição da corrida pela presidência da Câmara. A eleição da Mesa Diretora ocorre logo após a assinatura dos termos de posse. Por ora, Nely Aquino (Podemos) disputa a reeleição contra Duda Salabert (PDT), que estreia como vereadora. A inscrição das chapas é permitida até instantes antes da votação.

Como mostrou o Estado de Minas durante a série de entrevistas com os parlamentares da nova legislatura, Nely aposta no trabalho feito durante o primeiro mandato como presidente para pleitear a recondução.

Duda, por seu turno, diz que sua candidatura representa o “desejo de alargar a democracia” no Legislativo. Recordista de votos em toda a história da Câmara de BH — foi escolhida por 37.613 cidadãos — a pedetista tem o apoio das vereadoras de PT e Psol, componentes da aliança denominada “Mulheres de Luta”.

Nely deve receber votos de integrantes da base de Kalil e, também, de colegas considerados independentes. O PSD chegou a lançar Irlan Melo como candidato, mas recuou.

Toda a composição da Mesa Diretora será definida hoje. Além da presidência, há outros cinco cadeiras em disputa: primeiro e segundo vices, secretário-geral e primeiro e segundo secretários.

REUNIÃO


Anteontem, o prefeito recebeu os quatro vereadores eleitos pelo PP para tratar dos planos para BH. Kalil também detalhou as ações desenvolvidas no último quadriênio, enquanto José Ferreira Projeto Ajudaí, Professora Marli, Rubão e Wilsinho da Tabu se apresentaram e detalharam as propostas para a capital.

Além de progressistas e pessedistas, a base de apoio a Kalil terá, pelo menos, PL, PMN e Rede. Democratas, PSL, PTC, PSC e Pros, além de parte do PDT.

O cordão em torno do prefeito é tão amplo que conta, até mesmo, com integrantes de partidos que apoiaram outros candidatos no pleito municipal.

O Pros, de Wesley Autoescola, foi representado por Fabiano Cazeca, enquanto o Dem, de Álvaro Damião — que foi vice-líder do governo no último mandato — apoiou João Vítor Xavier (Cidadania).

SECRETARIADO 

O time do prefeito não deve sofrer grandes alterações neste ano. Logo após ser reeleito para o cargo em primeiro turno, Kalil externou o desejo de dar continuidade ao trabalho dos chefes das 16 pastas municipais.

“Já convidei minha equipe a continuar porque não fiz nada sozinho", afirmou, durante a campanha eleitoral. Enquanto isso, Paulo Lamac (Rede) se despede da vice-prefeitura.

Quando foi ao Roda Viva, da TV Cultura, no fim do penúltimo mês de 2020, o chefe do Executivo revelou pensar em criar uma “supersecretaria” para tocar grandes obras na cidade.

O dono do posto, segundo ele, seria Fuad Noman.  O plano, contudo, começará a ser discutido após o fim da pandemia, visto que um decreto municipal impede a criação de novas autarquias durante a COVID-19. Por ora, as obras para conter as chuvas são prioridade.

TIME DE SECRETÁRIOS


Chefes das pastas deverão mantidos

Educação: Ângela Dalben
Saúde: Jackson Machado Pinto
Assistência Social, Segurança Alimentar e Cidadania: Maíra Colares
Planejamento, Orçamento e Gestão: André Reis
Fazenda: João Antônio Fleury Teixeira
Obras e Infraestrutura: Josué Valadão
Política Urbana: Maria Caldas
Cultura: Fabíola Moulin
Desenvolvimento Econômico: Cláudio Beato
Assuntos Institucionais e Comunicação Social: Adriana Branco
Governo: Adriana Branco
Controladoria-Geral do Município: Leonardo Ferraz
Esportes: Elberto Furtado
Segurança e Prevenção: Genilson Zeferino
Meio Ambiente: Mário Werneck
Procuradoria-Geral do Município: Castellar Guimarães Filho


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade