Publicidade

Estado de Minas POLÍTICA

Viúva de Marielle exalta decisão do STJ contra federalização

Deputado federal Marcelo Freixo (PSOL-RJ) também comemorou a decisão


postado em 27/05/2020 21:27 / atualizado em 28/05/2020 00:19

Arquiteta Monica Benício (direita) exaltou a decisão do Superior Tribunal de Justiça (STJ) sobre caso Marielle(foto: Arquivo pessoal)
Arquiteta Monica Benício (direita) exaltou a decisão do Superior Tribunal de Justiça (STJ) sobre caso Marielle (foto: Arquivo pessoal)
Viúva da vereadora assassinada Marielle Franco (PSOL), a arquiteta Monica Benício exaltou a decisão do Superior Tribunal de Justiça (STJ) que negou a federalização do caso em sessão realizada nesta quarta-feira, 27. Segundo Monica, a manutenção das investigações na esfera estadual foi "uma vitória sobre a possibilidade de retrocesso".

Amigo de Marielle, o deputado federal Marcelo Freixo (PSOL-RJ) também comemorou a decisão, que classificou como "uma derrota para Bolsonaro". A sessão do STJ, realizada por videoconferência, durou mais de cinco horas, e no fim todos os ministros que compuseram a 3ª Seção votaram contra a federalização do caso, pedida ainda em 2018 pela ex-procuradora-geral da República, Raquel Dodge.

"São 805 dias sem justiça para Marielle e Anderson. A federalização seria o caminho mais curto para a impunidade. Com o apoio de mais de 150 mil pessoas, obtivemos hoje não um avanço, mas uma vitória sobre a possibilidade de retrocesso. O resultado do STJ hoje foi importante para que seguíssemos confiantes na elucidação do caso, mas não deve reforçar ou justificar de forma alguma a demora na identificação dos mandantes e das motivações dos assassinatos de Marielle e Anderson", diz nota de Monica Benício.

"A sociedade brasileira, a comunidade internacional, os movimentos sociais, as organizações de direitos humanos devem exercer agora com ainda mais afinco a pressão democrática para que todos os responsáveis por esse crime sejam identificados e devidamente responsabilizados", prossegue o texto. "As instituições brasileiras não podem estar a serviço de organizações criminosas, independente de que sobrenome tenham seus integrante. O mundo anseia por justiça para Marielle e Anderson. E nós seguiremos em luta até que essa seja uma realidade."



O deputado federal Marcelo Freixo também comemorou a decisão. "Nós conseguimos uma belíssima vitória", afirmou, em vídeo postado nas redes sociais. "Foi uma vitória da família (de Marielle), de todos que querem justiça, de quem não aceita a impunidade." Freixo também declarou que foi "uma derrota para Bolsonaro". "Não tem que entregar nas mãos do governo Bolsonaro uma investigação de um assassinato brutal como esse", comentou o parlamentar, que aproveitou o vídeo também para parabenizar o Supremo Tribunal Federal (STF) pela operação realizada nesta quarta pela Polícia Federal em inquérito sobre fake news.

Compartilhe no Facebook
*Apenas para assinantes do Estado de Minas

Publicidade