Publicidade

Estado de Minas ASSEMBLEIA LEGISLATIVA

Delegacia virtual receberá denúncias de violência doméstica

Projeto aprovado pela Assembleia de Minas permite que mulheres façam ocorrências do tipo pela internet


postado em 30/04/2020 16:01 / atualizado em 30/04/2020 16:26

Projetos foram analisados de modo remoto pelos deputados estaduais de MG.(foto: Willian Dias/ALMG )
Projetos foram analisados de modo remoto pelos deputados estaduais de MG. (foto: Willian Dias/ALMG )
Os deputados estaduais mineiros aprovaram, nesta quinta-feira, em turno único, um projeto que permite a denúncia de casos de violência doméstica por meio da Delegacia Virtual do estado. Por conta da pandemia do novo coronavírus, a proposta tramitou em regime de urgência e, agora, segue para sanção do governador Romeu Zema (Novo).

O texto, de autoria da deputada Marília Campos (PT), estabelece a inclusão da violência doméstica no rol de ocorrências possíveis de oficialização via internet. Após o recebimento da denúncia, a Delegacia Especializada de Atendimento à Mulher deve conversar com a autora da denúncia por meio de ligação telefônica, mensagens on-line ou qualquer outro meio virtual que garanta a comunicação adequada.

 

Segundo o Projeto de Lei (PL) 1.876/2020, nas regiões em que não houver Delegacia Especializada, o acolhimento será feito pela delegacia responsável pela localidade. Após a conversa com a responsável pela ocorrência, os dados do caso devem ser encaminhados à Justiça em até 48 horas, para que sejam concedidas medidas protetivas em caráter de urgência.

O projeto recebeu aval dos parlamentares na forma de um texto substitutivo, apresentado pelo relator Cássio Soares (PSD). Na nova redação, a proposta contempla, ainda, agressões cometidas contra crianças, adolescentes, idosos e pessoas com deficiência.

Na justificativa da proposta, Marília Campos explica que o isolamento social imposto pela pandemia da COVID-19 pode aumentar o número de ocorrências de violência doméstica. 

“Pelas dificuldades encontradas para buscar ajuda, denunciar as violências e requerer medidas cabíveis, os riscos podem ser agravados, colocando em perigo a vida das mulheres”, argumenta a deputada, que, até dezembro do ano passado, presidia a Comissão de Defesa dos Direitos da Mulher da Assembleia.

Condomínios precisam informar violências

Durante a reunião plenária desta quinta-feira, ocorrida de modo remoto, os parlamentares deram aval, em primeiro turno, a um projeto que obriga condomínios residenciais a informarem, às autoridades de segurança pública, casos ou indícios de violência doméstica ocorrida nos locais. Síndicos deverão encaminhar possíveis agressões contra crianças, mulheres, idosos e pessoas com deficiência à delegacia de Polícia Civil responsável pela região.

O Projeto de Lei (PL) 1.054/2019 foi apresentado pelos deputados Mauro Tramonte e Charles Santos, ambos do Republicanos. O relator Cássio Soares apresentou um texto alternativo, que retirou da proposta a multa aplicada aos condomínios que deixassem de informar, mais de uma vez, os casos de agressão. O deputado alegou que a sanção financeira foi excluída pelo fato de a proposta não ter caráter punitivo, mas sim educativo.

Antes de ser votada em caráter definitivo em plenário, a matéria será novamente analisada pelas comissões temáticas da Assembleia.

Desistência de compras

Os deputados estaduais aprovaram, também, um projeto do deputado Sargento Rodrigues (PTB), que visa garantir a devolução de produtos comprados pela internet. O PL 4.244/2017 foi analisado em primeiro turno e, agora, volta às comissões.

De acordo com o projeto, os consumidores têm até sete dias da compra ou do recebimento da mercadoria para desistir do que foi adquirido, conforme diz o Código de Defesa do Consumidor. O texto diz que o arrependimento pode ser comunicado por meio da mesma ferramenta utilizada para a compra. Ainda segundo a matéria, as formas de concretizar a desistência devem ser informadas de modo claro pelos vendedores.

Ao apresentar seu parecer favorável à proposta, também por meio de um texto substitutivo, Cássio Soares destacou que, por conta do coronavírus, houve crescimento no número de aquisições feitas virtualmente.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade