Publicidade

Estado de Minas CORONAVÍRUS NO BRASIL

Bolsonaro relaciona mortes por COVID-19 à renda e ignora elevado número de óbitos no Primeiro Mundo

Ao defender 'tese' sobre relação do coronavírus com a renda, presidente citou Zimbábue como país em desvantagem em relação ao Brasil. Mas, apesar disso, país africano registrou apenas quatro mortes pela COVID-19


postado em 23/04/2020 21:19 / atualizado em 23/04/2020 22:07

Presidente Jair Bolsonaro em sua live semanal pelo Facebook(foto: Reprodução/Facebook)
Presidente Jair Bolsonaro em sua live semanal pelo Facebook (foto: Reprodução/Facebook)
Durante seu pronunciamento semanal pelo Facebook, o presidente da República, Jair Bolsonaro (sem partido), voltou a priorizar a questão econômica em detrimento das medidas de combate ao coronavírus.

Sem citar dados, ele comparou o Brasil ao Zimbábue e tentou construir o raciocínio de que um país com situação socioeconômica prejudicada teria pior desempenho diante da crise provocada pela pandemia de COVID-19.

Não tenho números aqui. Mas entre o Brasil, por exemplo, tem uma renda per capita, tem uma economia, e um país pobre, de um outro continente, o africano, por exemplo. A expectativa de vida é maior aqui ou maior lá de Zimbábue? A expectativa é maior aqui. Por quê? Porque a renda é maior. Então, se a nossa renda vai cair, a morte chega mais cedo. É isso que sempre busquei levar ao conhecimento público. Não podia fugir da verdade”, disse o presidente.

O argumento desenvolvido por Bolsonaro é incoerente, pois mistura expectativa de vida com impacto do coronavírus. De fato, cidadãos do Zimbábue (país com renda per capita de 2.147 dólares) vivem menos do que brasileiros. No país africano, a expectativa de vida é de 60,8 anos contra 75,4 do Brasil (onde a renda bruta por habitante de 8.920 dólares), segundo dados do Banco Mundial.

Entretanto, o índice de letalidade provocada pelo vírus não é diretamente proporcional aos econômicos. No Zimbábue, há apenas quatro casos de morte por coronavírus confirmados.

Por outro lado, os seis primeiros países do globo com maior número de óbitos pela COVID-19 são do chamado “Primeiro mundo”: Estados Unidos, Itália, Espanha, França, Reino Unido e Alemanha.

Os Estados Unidos, país que lidera o funesto ranking de mortes, com mais de 50 mil óbitos, têm uma renda per capita de 62.794 dólares, quase oito vezes maior que a do Brasil.

A quantidade de óbitos em outros países desenvolvidos não serve de sustentação ao argumento de Bolsonaro. Na Itália, país com renda per capita de 34.483 dólares, a doença matou 25.549 pessoas.

Os números são semelhantes na Espanha (30.370 dólares per capita/22.157 mortes), França (41.463/21.856 mortes), Reino Unido (42.943 dólares/18.738 mortes) e Alemanha (47.603 dólares/5.503 mortes).


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade