Publicidade

Estado de Minas

Mandetta deixa Planalto sem falar com imprensa; Terra chega ao local em seguida

Reunião com Bolsonaro acontece dois dias depois de um dia tenso (6) em que o deputado Osmar Terra chegou a ser cotado para substituir Mandetta


postado em 08/04/2020 12:00 / atualizado em 08/04/2020 12:59

Ministro Luiz Henrique Mandetta(foto: Marcello Casal JrAgência Brasil)
Ministro Luiz Henrique Mandetta (foto: Marcello Casal JrAgência Brasil)

O ministro da Saúde, Luiz  Henrique Mandetta, evitou comentar  a conversa que teve com o presidente da República, Jair Bolsonaro ( sem partido), na manhã desta quarta-feira, durante reunião no Palácio do Planalto.

O encontro durou pouco mais de duas horas, bem além da previsão de meia hora que constava da agenda oficial do presidente.

O encontro acontece dois dias depois de um dia tenso, na segunda-feira (6), em que Bolsonaro precisou ser convencido por militares do primeiro escalão do governo a não demitir Mandetta – alvo de discordância do presidente diante da condução do ministro no combate à pandemia do novo coronavírus.

O ministro chegou e saiu pela garagem sem dar entrevistas aos jornalistas. Ao chegar ao Ministério da Saúde, ele também não quis comentar o encontro com Bolsonaro. Jornalistas que conseguiram falar com Mandetta pelo whatsapp afirmaram que o ministro foi sucinto ao repercutir o encontro: “tranquilo e trabalho’’.

A pé


Antes das rusgas com Bolsonaro, o costume do ministro era chegar e sair a pé do Planalto. No trajeto até o ministério, Mandetta costumava responder a perguntas de jornalistas que o acompanhavam.

Cotado para substituir Mandetta


O ex-ministro da Cidadania, deputado Osmar Terra (MDB/RS), chegou ao Palácio do Planalto logo após Mandetta deixar o local.

Terra disse aos jornalistas que  sua agenda no Planalto era uma reunião no gabinete do Ministério da Casa Civil, comandado pelo general Braga Netto.

O parlamentar é tido hoje como um dos principais conselheiros de Bolsonaro. Terra, que também é médico, concorda com o presidente, a despeito de recomendações da Organização Mundial da Saúde (ONU), que defende o isolamento social apenas para grupos de risco, ou seja, idosos e pacientes de doenças crônicas.

Osmar Terra também comunga com a opinião de Bolsonaro sobre o uso da cloroquina e da hidroxicloroquina para combater a Covid-19,  nome da doença provocada pelo novo coronavírus.

Mandetta e infectologistas não concordam com o uso indiscriminado do medicamento, tendo em vista que não há ainda comprovação científica sobre a eficácia e, ainda, os fortes efeitos colaterais da droga.

O ministro chegou a tratar do assunto em coletiva e “liberou” o uso do medicamento conforme  indicação  sob supervisão médica.

Há  pouco mais de duas semanas, diante da divulgação sobre o uso do medicamento para combater o coronavírus _ com indicação para doenças como malária, lúpus, entre outras doenças autoimunes-,o remédio chegou a faltar nas prateleiras da maioria das farmácias do paíse e continua em falta.

Hoje, o presidente Bolsonaro, antes do encontro com Mandetta, defendeu , em seu perfil no Twitter, a liberação do uso da cloroquina e do hidroxicloroquina.

Compartilhe no Facebook
*Apenas para assinantes do Estado de Minas

Publicidade