Publicidade

Estado de Minas POLÍTICA

Maia cobra sanção e repasse do auxílio emergencial aprovado pelo parlamento

Presidente da Câmara afirmou ainda que o Congresso espera o envio da medida provisória prometida pelo governo para manutenção do emprego


postado em 31/03/2020 18:19 / atualizado em 31/03/2020 19:09

Presidente da Câmara afirmou ainda que o Congresso espera o envio da medida provisória prometida pelo governo para manutenção do emprego(foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil)
Presidente da Câmara afirmou ainda que o Congresso espera o envio da medida provisória prometida pelo governo para manutenção do emprego (foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil)
O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), cobrou agilidade do governo para a sanção e para o repasse do auxílio emergencial a vulneráveis aprovado nos últimos dias pela Câmara e Senado, de R$ 600. "16 de abril não parece tão emergencial. Governo tem toda estrutura, mesmo de forma remota, para organizar o pagamento de brasileiros antes. Não me parece que aguardar até 16 de abril seja a melhor solução", afirmou.

Para Maia, o projeto, aprovado pelo Senado nesta segunda-feira, 30, precisa ser sancionado pelo presidente Jair Bolsonaro com agilidade.

"Acho que é um valor mínimo, não vai resolver os problemas, mas vai dar o mínimo de previsibilidade para os brasileiros superarem os próximos três meses", disse. Para ele, o momento mais difícil será abril, maio e junho. "A partir daí termos melhores condições para economia caminhar", afirmou.

Maia afirmou ainda que o Congresso espera o envio da medida provisória prometida pelo governo para manutenção do emprego. Ele confirmou que se o governo não encaminhar até amanhã, a Câmara vai avançar com projetos dos deputados. Como o Broadcast mostrou mais cedo, a demora do governo de colocar em prática medidas prometidas para enfrentamento da crise da covid-19 tem preocupado parlamentares. A preocupação é que se algo não for feito rapidamente, empresas poderão começar a demitir em massa com o fechamento do mês.

Compartilhe no Facebook
*Apenas para assinantes do Estado de Minas

Publicidade