Publicidade

Estado de Minas

Secretário de Cultura, Roberto Alvim, responde a críticas e elogia a ideia de Goebbels

Alvim afirma que não citou o nazista, mas considerou que a frase é perfeita: 'heroísmo e aspirações do povo é o que queremos ver na Arte nacional"


postado em 17/01/2020 11:06 / atualizado em 17/01/2020 11:21

Após a repercussão negativa de seu pronunciamento no lançamento do Prêmio Nacional das Artes, na noite dessa quinta-feira (16), Roberto Alvim, secretário especial de Cultura do governo Bolsonaro, divulgou nota de esclarecimento na conta dele no Facebook.

Alvim disse que a "esquerda" está fazendo uma "falácia de associação remota" entre sua fala e o ideólogo do nazismo. Omite o fato de que recebeu críticas de seu guru, Olavo de Carvalho, e de outros expoentes da ala olavista da cultura.

"Com uma coincidência retórica em UMA frase sobre nacionalismo em arte, estão tentando desacreditar todo o PRÊMIO NACIONAL DAS ARTES, que vai redefinir a Cultura brasileira… É típico dessa corja", escreve Roberto Alvim no post.
(foto: Reprodução/Facebook)
(foto: Reprodução/Facebook)


"Repito: foi apenas uma frase do meu discurso na qual havia uma coincidência retórica. Eu não citei ninguém. E o trecho fala de uma arte heroica e profundamente vinculada às aspirações do povo brasileiro. Não há nada de errado com a frase. Todo o discurso foi baseado num ideal nacionalista para a Arte brasileira, e houve uma coincidência com UMA frase de um discurso de Goebbels… Não o citei e JAMAIS o faria", afirmou.

No final da mensagem, porém, o secretário elogia a ideia de Goebbels: "mas a frase em si é perfeita: heroísmo e aspirações do povo é o que queremos ver na Arte nacional"

 

O Palácio do Planalto informou que não vai se posicionar sobre o pronunciamento polêmico.


Publicidade