Publicidade

Estado de Minas

Alcione, general e Ciro Gomes criticam fala de Bolsonaro sobre ''paraíbas''

Cantora pediu respeito ao presidente e general da reserva Luiz Rocha Paiva chamou fala de ''antipatriótica''


postado em 20/07/2019 15:22 / atualizado em 20/07/2019 15:35

Alcione: ''Presidente Bolsonaro, eu não votei no senhor e não me arrependo'' (foto: Eliseu Fiuza/Divulgação)
Alcione: ''Presidente Bolsonaro, eu não votei no senhor e não me arrependo'' (foto: Eliseu Fiuza/Divulgação)

A fala do presidente Jair Bolsonaro, na qual se referiu aos governadores do Nordeste como "governadores de paraíba", nessa sexta-feira, continuou sendo motivo de protestos neste sábado. E as críticas vieram de pessoas com perfis bem diferentes, de generais a artistas, passando, evidentemente, por políticos nordestinos. A polêmica também fez com que o termo "orgulho do Nordeste" se tornasse o mais comentado do Twitter.

No começo da tarde, a cantora Alcione postou um vídeo no Instagram no qual exige respeito ao Nordeste e ao Maranhão, estado governado por Flávio Dino (PCdoB), apontado por Bolsonaro, na conversa com o ministro Onyx Lorenzoni, como "o pior deles". 
A fala de Alcione foi acompanhada de um texto que tem praticamente o mesmo conteúdo do que a artista diz: "Presidente Bolsonaro, eu não votei no senhor e não me arrependo. Eu sou uma brasileira que não torço contra o governo, não sou burra. Eu sei que se torcer contra, estou torcendo contra o meu país. Agora meu pai sempre me dizia, que meu avó já dizia para ele: “QUEM QUER RESPEITO, SE DÁ”. E o senhor não está se dando respeito. O senhor precisa respeitar o povo nordestino. RESPEITE O MARANHÃO. O senhor tem medo de facada, tem medo de tiro, mas o senhor precisa ter medo do pensamento. O pensamento é uma força. Pense em mais de 30 milhões de nordestinos pensando contra o senhor? Comece a nos respeitar. RESPEITE O POVO BRASILEIRO."



Da ala militar, a reprovação veio do general da reserva Luiz Rocha Paiva, que falou ao jornal Estado de S. Paulo. Paiva considerou o comentário de Bolsonaro "antipatriótico” e “incoerente”. "Tem que ter calma, mas mostrar pra ele o quanto perdeu com essa grosseria com que menosprezou uma região do Brasil e seus habitantes. Um comentário antipatriótico e incoerente para quem diz 'Brasil acima de tudo'", afirmou o general, que foi integrante da Comissão da verdade.

Ex-governador do Ceará e candidato à Presidência em 2018 pelo PDT, Ciro Gomes foi outro que se manifestou, chamando, no Twitter, Bolsonaro de Magda das Milícias, uma referência à personagem Magda, interpretada por Marisa Orth no programa Sai de baixo. "Cala a boca, 'Magda das milícias'! 'não existe fome no Brasil', 'vai privilegiar o filho', chama de 'Paraíba' toda uma região com mais 30 milhões de habitantes, ataca um dos melhores governadores e, irresponsavelmente, determina perseguição ao povo de um Estado...", escreveu.



Microfone aberto
A fala de Bolsonaro, que aparentemente não sabia que os microfones já captavam sua fala pouco antes de um café da manhã dos jornalistas, gerou reação de Flávio Dino e demais governadores da região, que publicaram uma carta pedindo explicações. Até a última atualização desta matéria, o Planalto e o presidente ainda não haviam se manifestado sobre o assunto.

Alguns políticos estudam a possibilidade de processar o presidente, como afirmou o deputado federal Márcio Jerry (PCdoB-MA).  Pres @jairbolsonaro se referiu ao nordeste de forma preconceituosa e ameaçou estados. Representarei à PGR para apurar cometimento de crime comum, neste caso crimes de ameaça, contra a honra e racismo ('paraíbas'). Irei analisar também a existência de crime de responsabilidade", postou no Twitter.



Publicidade