Publicidade

Estado de Minas

'Defesa já fez o showzinho dela', site divulga novas conversas de Sérgio Moro

Segundo a reportagem, o episódio ocorreu em 10 de maio de 2017, quando Moro já presidia um processo criminal contra o ex-presidente Lula


postado em 14/06/2019 22:39 / atualizado em 14/06/2019 23:08

O Ministro da Justiça e Segurança Pública não comentará supostas mensagens de autoridades públicas (foto: Isaac Amorim/AG.MJ)
O Ministro da Justiça e Segurança Pública não comentará supostas mensagens de autoridades públicas (foto: Isaac Amorim/AG.MJ)
O site 'The Intercept' divulgou, na noite desta sexta-feira (14), novos trechos de conversas atribuídas ao ministro da Justiça e Segurança Pública Sérgio Moro. De acordo com a nova reportagem, o então juiz federal teria sugerido que a força-tarefa da Lava-Jato emitisse nota oficial para esclarecer 'contradições' do ex-presidente Lula fornecidas durante depoimento sobre o caso do triplex do Guarujá
 
Segundo o 'The Intercept', a sugestão de Sérgio Moro teria sido feita ao então procurador da República Carlos Fernando dos Santos Lima, pelo aplicativo de mensagens Telegram. Segundo a reportagem, o episódio ocorreu em 10 de maio de 2017, quando Moro já presidia um processo criminal contra o ex-presidente. 
 
“O que achou?”, quis saber Moro. O juiz se referia ao maior momento midiático da Lava-Jato , ocorrido após o depoimento do ex-presidente Lula. Segundo a reportagem, Sérgio Moro zombava do réu e de seus advogados enquanto fornecia instruções privadas para a Lava-Jato sobre como se portar publicamente e controlar a narrativa na imprensa.
 
(foto: The Intercept/Reprodução)
(foto: The Intercept/Reprodução)
Além do depoimento, um vídeo de Lula também tomava conta da internet no mesmo dia. Depois de sair do prédio da Justiça Federal, o ex-presidente se dirigiu à Praça Santos Andrade, em Curitiba, e fez um pronunciamento diante de uma multidão.
 
Lula encerrou com a frase: “Eu estou vivo, e estou me preparando para voltar a ser candidato a presidente desse país”. Era o lançamento informal de sua candidatura às eleições de 2018. 
 
Minutos depois da conversa com o então juiz, naquele 10 de maio, Santos Lima abriu o grupo 'Análise de clipping', em que também estavam assessores de imprensa do MPF do Paraná. Ele estaria em Recife no dia seguinte em um congresso jurídico.
 
Santos Lima copiou a conversa que teve em seu chat privado com Moro, em que o juiz sugere a nota pública para apontar as contradições de Lula, e colou em outro chat privado, com o coordenador da Lava Jato no MPF, Deltan Dallagnol. Eram 22h38.
 
(foto: The Intercept/Reprodução)
(foto: The Intercept/Reprodução)
Os procuradores da força-tarefa discutiam num chat chamado 'Filhos de Januário 1' se deveriam comentar publicamente o depoimento de Lula. Às 22h43, Santos Lima escreveu no grupo, dirigindo-se a Dallagnol: “Leia o que eu te mandei.”. Ele se referia às mensagens que trocara com Moro. 
 
De acordo com o site, foi a vez então de Dallagnol mandar uma mensagem ao grupo Análise de clipping, dos assessores de imprensa. O assessor de imprensa estranhou o pedido e alertou que poderia ser um “tiro no pé”.
 
Por fim, o pedido de Moro para apontar as contradições da defesa de Lula seria discutido no chat 'Filhos do Januário 1' até o fim da noite e também na manhã do dia seguinte, 11 de maio. E, finalmente, atendido. 
 
(foto: The Intercept/Reprodução)
(foto: The Intercept/Reprodução)
Em nota enviada ao 'The Intercept', a assessoria do ministro Sérgio Moro declarou em nota que: “O Ministro da Justiça e Segurança Pública não comentará supostas mensagens de autoridades públicas colhidas por meio de invasão criminosa de hackers e que podem ter sido adulteradas e editadas, especialmente sem análise prévia de autoridade independente que possa certificar a sua integridade. No caso em questão, as supostas mensagens nem sequer foram enviadas previamente.”

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade