Publicidade

Estado de Minas

Porte de armas: Marcelo Freixo questiona se Bolsonaro é presidente ou lobista

O deputado federal usou as redes sociais para postar vídeo do presidente participando de lançamento de rifle e pistola


postado em 21/05/2019 12:29 / atualizado em 21/05/2019 13:03


A polêmica em torno da posse  e do porte de armas no Brasil ganhou mais um ingrediente na manhã desta terça-feira. O deputado federal  Marcelo Freixo (Psol/RJ) postou em sua conta no Twitter vídeo no qualo presidente jair Bolsanaro participa do lanaçemtno de um fuzil e de uma pistola da marca Taurus.  "Presidente ou lobista?", questiona o parlamentar.

Decreto de Bolsonaro amplia o uso e porte de armas no Brasil, dividindo opiniões  até entre aliados no Congresso  Nacional.

(foto: Mauro Pimentel/AFP)
(foto: Mauro Pimentel/AFP)

A  fabricante de armas brasileira Taurus informou, em entrevista  à TV Globo,  nessa segunda-feira (20), que o decreto sancionado pelo presidente inclui a possibilidade de a população comprar um fuzil, o T4 semiautomático de calibre 5,56.

A Casa Civil, ligada ao Palácio do Planalto, disse que o decreto não enquadra o fuzil T4 como arma de uso permitido. Segundo o órgão, a arma "é de uso restrito e, por isso, o cidadão comum não consegue adquiri-la". "A informação não procede", declarou.

Garoto propaganda?

Em 2017, quando Bolsonaro já se apresentava como candidato à Presidência, ele esteve em um stand da Taurus durante uma feira de produtos de segurança e disse que o T4 seria liberada para alguns grupos.

"Se eu chegar lá, você, cidadão de bem, vai ter num primeiro momento isto aqui em casa (e aparece segurando uma pistola). E você, produtor rural, no que depender de mim, vai ter isto aqui também (e aparece segurando um fuzil T4). Cartão de visita para invasor tem que ser cartucho grande mesmo, com excludente de ilicitude, obviamente."

Potência

O decreto do presidente aumentou o limite da energia cinética das armas permitidas para 1.620 joules; a Taurus diz que a energia cinética do seu T4 é de 1.320 joules. Bolsonaro assinou o decreto no dia 7 e, entre as mudanças, o documento liberou o uso de armamento restrito. Além disso, o texto prevê que 19 categorias não tenham de comprovar a efetiva necessidade para portar armas.
O texto é contestado pelo Ministério Público Federal na Justiça e por partidos no Supremo Tribunal Federal.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade