Publicidade

Estado de Minas POLÍTICA

Ministro do Meio Ambiente corta 24% do orçamento do Ibama

Só as despesas fixas do órgão são estimadas em R$ 285 milhões para este ano


postado em 26/04/2019 20:18 / atualizado em 26/04/2019 21:35

As informações são de que o mesmo corte deve afetar o Instituto Chico Mendes de Biodiversidade(foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil)
As informações são de que o mesmo corte deve afetar o Instituto Chico Mendes de Biodiversidade (foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil)
O ministro do Meio Ambiente (MMA), Ricardo Salles, mandou cortar em 24% o orçamento anual previsto para o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), órgão que está vinculado à sua pasta. Com o corte, que retira recursos que cobririam praticamente três meses dos gastos previstos para 2019, o Ibama terá seu orçamento reduzido de R$ 368,3 milhões, conforme constava na Lei Orçamentária (LOA), para R$ 279,4 milhões.

Com R$ 89,9 milhões a menos no orçamento, o Ibama terá impacto em suas operações de fiscalização e manutenção do meio ambiente. Só as despesas fixas do órgão são estimadas em R$ 285 milhões para este ano.

As informações são de que o mesmo corte deve afetar o Instituto Chico Mendes de Biodiversidade (ICMBio), responsável por fiscalizar as unidades de conservação florestal do País. Questionado sobre as motivações que levaram à medida, Ricardo Salles não comentou o assunto até a publicação desta reportagem. O Ibama também não se posicionou.

Os cortes de orçamento ocorrem em um momento de crise na pasta. Servidores do ICMBio divulgaram carta de repúdio contra Salles, que determinou abertura de processo administrativo disciplinar contra funcionários do órgão no Rio Grande Sul, após cobrar a presença deles em um encontro com ruralistas. Ocorre que eles não foram convidados para o encontro, por isso não estavam no local.

O constrangimento causado pelo episódio levou ao pedido de demissão do presidente do ICMBio, seguido por outros três pedidos de exoneração conjunta de diretores do órgão. De seu lado, Salles exonerou o diretor do parque Lagoa do Peixe, quando a crise começou, e nomeou quatro policiais militares para ocuparem os cargos na diretoria do Instituto Chico Mendes.

Oficiais da PM e das Forças Armadas também estão sendo nomeados para o MMA e o próprio Ibama. Já são cerca de 20 posições ocupadas por militares na cúpula do meio ambiente.


Publicidade