Publicidade

Estado de Minas

Zema propõe pagar 13º da segurança pública até junho; categoria rejeita proposta

Diante de manifestação na Cidade Administrativa e fechamento da MG-010, governador apresentou escala para pagar 80% até maio e o restante em junho


postado em 22/02/2019 19:28 / atualizado em 22/02/2019 20:25

Agentes de segurança foram para a Cidade Administrativa no início da tarde desta sexta-feira. Por volta das 18h30 eles fecharam os dois sentidos da MG-010, caminho para o Aeroporto de Confins(foto: Gladyston Rodrigues/EM/D.A Press)
Agentes de segurança foram para a Cidade Administrativa no início da tarde desta sexta-feira. Por volta das 18h30 eles fecharam os dois sentidos da MG-010, caminho para o Aeroporto de Confins (foto: Gladyston Rodrigues/EM/D.A Press)

Diante da pressão dos profissionais da segurança pública, o governador Romeu Zema (Novo) apresentou no início da noite desta sexta-feira uma nova proposta de pagamento do 13º salário do ano passado para os policiais, agentes penitenciários e socioeducativos.

A nova escala prevê o pagamento de 80% do abono até maio e o restante em junho. Uma primeira parcela foi paga a todos os servidores nessa quinta-feira. A proposta inicial era quitar o 13º em 11 parcelas. 

Em nota, o governo informou que parlamentares mineiros que participaram de uma reunião com o governador Romeu Zema na Cidade Administrativa, fiizeram o compromisso de buscar recursos suplementares diretamente com a União para auxiliar na antecipação do pagamento do subsídio para as demais categorias do funcionalismo.

A categoria de policiais e agentes, que deste o início da tarde desta sexta-feira faz um protesto na Cidade Administrativa e mantém os dois sentidos MG-010 fechado, recusou a proposta em assembleia no local. 

De acordo com o coronel Mendonça, assessor jurídico da Associação dos Servidores do Corpo de Bombeiros e Polícia Militar de Minas Gerais (Ascobom), a categoria tende a rejeitar a proposta. A reivindicação é que o restante do abono de Natal seja quitado em parcela única.

“A nossa intenção é que a categoria fique parada no Carnaval”, alertou o militar. 


Publicidade