Publicidade

Estado de Minas

Bancada de Minas pede reunião com Bolsonaro, que diz ser novo mineiro

Novo coordenador do grupo, deputado Diego Andrade, disse que uma primeira conversa por telefone ocorreu nesta segunda-feira


postado em 18/02/2019 13:35 / atualizado em 18/02/2019 13:42

(foto: Antonio Augusto/Camara dos Deputados)
(foto: Antonio Augusto/Camara dos Deputados)

A bancada de Minas Gerais pediu nesta segunda-feira (18) ao presidente Jair Bolsonaro (PSL) uma audiência para tratar dos assuntos de interesse do estado. Antes, os 53 parlamentares vão se reunir para definir os projetos que serão levados para pedir o apoio financeiro e político do governo federal. O novo coordenador do grupo, deputado federal Diego Andrade (PSD), adiantou que estarão na pauta a renegociação da dívida mineira com a União e a revisão da tributação das mineradoras no estado.

Segundo Andrade, Bolsonaro falou pelo telefone com alguns integrantes da bancada nesta manhã, antes da solenidade de anúncio de recursos para a Saúde em Minas na Cidade Administrativa. “Ele pareceu estar com uma boa recuperação e demonstrou boa vontade. Disse até que agora se considera mineiro já que nasceu de novo em Juiz de Fora, onde sofreu o atentado durante a campanha eleitoral.”

Em relação à renegociação da dívida, Andrade afirmou que será preciso encontrar uma solução que não onere futuros governos e defendeu a redução dos juros pagos.

Já sobre a mineração, o deputado disse que a alternativa pode ser acabar com a isenção das mineradoras nas exportações, que ocorre por conta da Lei Kandir, ou aumentar muito o tributo da compensação pela atividade minerária.

Ainda sobre a questão da mineração, o coordenador disse que a bancada de deputados federais defende e trabalha para que o Congresso Nacional tenha apenas uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI), que junte Câmara e Senado, em vez de fazer grupos separados. Para ele, além de gerar despesas quando se precisa economia, as CPIs separadas servirão para dar palanque para os políticos em vez de trazer soluções para a questão.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade