Publicidade

Estado de Minas

Zema chama tragédia de Brumadinho de 'incidente' e diz que Vale está fazendo o possível

Em conversa com os deputados federais mineiros, o governador disse que a mineradora tem colaborado e defendeu o acordo proposto por ela para o caso


postado em 12/02/2019 13:09 / atualizado em 12/02/2019 13:31

Zema afirmou estar em contato permanente com a Vale e defendeu o acordo proposto pela mineradora(foto: Gladyston Rodrigues/EM/D.A Press)
Zema afirmou estar em contato permanente com a Vale e defendeu o acordo proposto pela mineradora (foto: Gladyston Rodrigues/EM/D.A Press)

O governador Romeu Zema (NOVO) se referiu nesta terça-feira (12) ao rompimento da barragem da Vale em Brumadinho, que deixou mais de 160 mortos e dezenas de desaparecidos, como um “incidente” e disse que a Vale está fazendo o possível para minimizar os danos. “Não tem faltado por parte da empresa neste momento assumir esse compromisso. Parece que desta vez eles reconheceram o erro apesar do incidente”, afirmou.


A declaração foi feita após ele ouvir críticas de deputados federais com quem se reuniu na Cidade Administrativa. O governador disse aos deputados que a Vale tem concedido tudo que é pedido pelos Bombeiros, Polícia Militar e famílias dos atingidos após o desastre.

Na sequência, disse que não estava defendendo ninguém, mas “relatando fatos que qualquer um pode ir lá em Brumadinho e checar in loco”.

 

Zema defendeu que a oferta da empresa responsável pela barragem Córrego do Feijão, de conceder de R$ 1 milhão a R$ 2 milhões às famílias dos mortos, seja aceita pelos atingidos e encerre as negociações. “A Promotoria Pública tem de certa maneira forçado a Vale a ficar pagando uma bolsa-auxílio, o que parece não fazer sentido, porque se cada família receber de R$ 1milhão a R$ 2 milhões, teria condição de fazer um investimento e já ia ajudar a economia local a se recompor”, disse.

O governador de Minas disse que vai transferir recursos da Assistência Social do estado para Brumadinho e que está acompanhando de perto dos desdobramentos. “Minha preocupação é que as vítimas sejam ressarcidas o quanto antes, porque na cabeça de muitas pessoas acaba acontecendo aquilo, eu prefiro ficar recebendo um salário mínimo por mês do que fazer um acordo e cessar esse salário mínimo. Mas o Ministério Público tem rumado neste sentido”, disse.

Entre as propostas do Ministério Público em um termo de ajuste preliminar (TAP) está o pagamento mensal emergencial pela vale a todas as pessoas atingidas. Pelos termos seriam um salário-mínimo por pessoa adulta; meio salário-mínimo por adolescente; um quarto de salário-mínimo por criança; e o valor referente a uma cesta básica por núcleo familiar.

Zema também procurou isentar o estado de responsabilidade na tragédia, afirmando que coube à Secretaria do Meio Ambiente a concessão de licença, mas que os critérios de exploração e a fiscalização são da Agência Nacional de Mineração.

Na reunião, os deputados federais se dividiram entre os que cobraram punição rigorosa à Vale e os que disseram que é preciso ter cautela para não acabar com a mineração em Minas Gerais. Entre as propostas da bancada está o fim da desoneração das exportações do minério.

“O que aconteceu em Brumadinho é uma questão de cadeia, temos que fazer uma Comissão Parlamentar de Inquérito e exigir cadeia porque foi assassinato”, disse o deputado federal Fábio Ramalho (MDB). O deputado Lincoln Portela (PR) também chamou a Vale de criminosa.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade