Publicidade

Estado de Minas POLÍTICA

Temer se encontra com interventor de Roraima na terça-feira, diz Etchegoyen


postado em 08/12/2018 20:14

O ministro do Gabinete de Segurança Institucional (GSI), Sergio Etchegoyen, disse neste sábado, 8, que o presidente Michel Temer vai se encontrar na próxima terça-feira (11) com o interventor do Estado de Roraima, o governador eleito, Antonio Denarium (PSL). O ministro deu a declaração a jornalistas após participar de reunião no palácio do Alvorada.

Etchegoyen destacou que a imprensa saberá os termos da intervenção, decretada na sexta-feira (7) por Michel Temer, "proximamente". Antes da definição exata dos valores que serão encaminhados para o Roraima, Etchegoyen afirmou que o interventor precisa chegar ao Estado e verificar qual é o status da situação. "Números serão oportunamente informados", destacou.

Para o ministro, a "má gestão" do governo estadual, principal fator que desencadeou a crise em Roraima, poderia fazer com que ela se prolongasse - caso não houvesse a intervenção federal. O ministro ressaltou ainda que questão penitenciária vinha sendo atacada por convênio entre União e Roraima.

Aos jornalistas, Etchegoyen destacou ainda que a intervenção passa a vigorar na assinatura do decreto e pode ser suspensa se Congresso não aprovar a medida. Segundo ele, o decreto foi assinado por Michel Temer e será publicado na próxima segunda-feira (10). Os membros do Congresso Nacional poderão contar com o tempo que julgarem necessário para a aprovação.

Na hipótese de aprovação do Congresso, o interventor terá todos os poderes de governador do Estado, exceto aqueles que se choquem com atribuições do governo federal, disse o ministro na tarde deste sábado. Roraima vem enfrentando uma crise migratória por causa da chegada de venezuelanos e também uma crise no sistema penitenciário. A governadora Suely Campos será afastada do cargo.

Caminhoneiros

Etchegoyen chegou a ser questionado por jornalistas sobre a situação dos caminhoneiros, mas disse que os problemas serão tratados separadamente. "No momento, a tensão está em Roraima", enfatizou.

Com intensas conversas nos grupos de Whatsapp, caminhoneiros de todo o País seguem divididos quanto a uma nova paralisação, em reação à decisão do ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Luiz Fux, de suspender a aplicação de multas pelo descumprimento dos preços mínimos do frete rodoviário até que a Corte decida sobre a constitucionalidade do tabelamento - o que não tem data para ocorrer.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade