Publicidade

Estado de Minas

Moro, ministérios, Israel e reformas: a primeira coletiva de Bolsonaro

Bolsonaro ressaltou que "os militares vão sim fazer parte da política nacional e que não vão ficar no segundo plano, como foi com o PT e FHC"


postado em 01/11/2018 18:43 / atualizado em 01/11/2018 19:08

(foto: Reprodução)
(foto: Reprodução)

Três superministérios, Sérgio Moro, o “soldado que vai à guerra sem medo de morrer”, carta branca a Paulo Guedes, resolução do conflito entre Israel e Palestina e relação com a mídia. O presidente eleito, Jair Bolsonaro (PSL), participou nesta quinta-feira (1/11) da primeira coletiva de imprensa desde que saiu vencedor nas urnas no último domingo (28). 

Vários dos temas polêmicos envolvendo o governo dele foram tratados no encontro com emissoras de TV, rádio e alguns sites. Questionado sobre a indicação de Sérgio Moro para o “superministério” de Justiça e Segurança, o ex-militar afirmou que o juiz é “um soldado que vai à guerra sem medo de morrer” e que queria “liberdade total para combater a corrupção e o crime organizado”. 

Ele também reafirmou que outros dois superministérios vão ser implementados durante o governo, o da Economia, liderado por seu guru Paulo Guedes, e o da Defesa, com o general Augusto Heleno como ministro. Sobre isso, Bolsonaro ressaltou que “os militares vão sim fazer parte da política nacional” e que não vão ficar no “segundo plano, como foi com o PT e FHC”. 

A razão disso, afirma o presidente eleito, é a importância que sua gestão dará ao combate à corrupção e ao crime organizado. 

Perguntado por um repórter se a nomeação de Moro ao ministério enfraquece a operação Lava-Jato, Bolsonaro rebateu que há outros juízes “de muita qualidade” no país e que a substituta de Moro, Gabriela Hardt, continuará com o trabalho dele. "Moro terá muito mais poder para combater o crime”, completou. 

Em outro momento, Bolsonaro foi perguntado sobre o que ocorreria caso alguém ligado ao governo dele se envolva com corrupção. “Vai pro pau”, respondeu. 

Sobre as relações internacionais do Brasil, o militar reformado afirmou que fará negócios “com o mundo todo sem o viés ideológico". Sobre o conflito entre Israel e Palestina (ele afirmou que transferirá a embaixad do Brasil de Tel Aviv para Jerusalém), afirmou que "vamos resolver isso daí também".

“Não queremos criar problemas com ninguém. Queremos fazer comércio com o mundo todo, buscar vias pacíficas pra resolver problemas. Não queremos criar poeira para resolver problemas", disse. 

Ele também afirmou que o convite feito a Sério Moro partiu de Paulo Guedes, que terá “carta branca” em seu governo, e que tem “pouco contato com Mourão”, vice dele. Bolsonaro frisou que não sabe dizer se fizeram contato com Moro durante a campanha. "Não foi durante a campanha?", questionou um jornalista. “Pelo que sei, foi depois. Tenho pouco contato com Mourão. Isso aí não tem nada a ver, se foi um dia antes ou não", rebateu Bolsonaro. 

Em relação à polêmica em torno de uma possível fusão do Ministério do Meio Ambiente e o da Agricultura, o presidente eleito respondeu que “nada está certo” e que ainda faltam dois meses para resolver a questão.

Bolsonaro voltou a criar rusgas com a mídia e afirmou: “A imprensa que não entrega verdade vai ficar para trás”. Ele também disse que “hoje em dia a imprensa tá muito diversificada”, em relação ao jornalismo independente, e que ganhou as eleições por causa das redes sociais.

Ele ainda reafirmou que a Reforma da Previdência é uma das prioridades de seu governo e que é possível que membros da equipe econômica de Michel Temer (MDB) sejam mantidos em sua gestão. "Dei carta branca pro Paulo Guedes. Tem gente boa que está com Temer", concluiu.


Publicidade