Publicidade

Estado de Minas POLÍTICA

Dois anos depois, militantes pró-impeachment se elegem como deputados


postado em 08/10/2018 21:05

O impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff (PT) continua reverberando na política dois anos depois. Foram eleitos em São Paulo candidatos para a Assembleia Legislativa e a Câmara dos Deputados, com expressivas votações, que apoiaram ou lideraram os protestos pela saída da petista, ao passo que ela própria não conseguiu se eleger para o Senado.

A professora de Direito da USP Janaína Paschoal (PSL), uma das autoras do impeachment, bateu o recorde de votação da Assembleia Legislativa - e da Câmara dos Deputados. A candidata a deputada estadual arrematou 2 milhões de votos no domingo.

A maioria dos nomes pró-impedimento está hoje no PSL, partido do candidato ao Planalto Jair Bolsonaro. Só em São Paulo, a legenda conseguiu eleger 10 deputados federais. Joice Hasselmann foi um deles.

Apesar de não liderar nenhum movimento, a jornalista militou pelo afastamento de Dilma através das redes sociais - ela tem um canal no Youtube com mais de 901 mil inscritos.

Em seu Twitter, comemorou a vitória com um agradecimento a Bolsonaro. "Capitão, Eu e a mulherada do Brasil vamos botar pra quebrar".

Joice foi eleita pelo PSL para deputada federal, com o segundo maior patamar de votação para a Câmara, atrás apenas do filho do presidenciável da legenda, Eduardo Bolsonaro. Líder do Nas Ruas, Carla Zambelli (PSL), será colega de bancada da jornalista no próximo ano.

O ator Alexandre Frota, também do PSL, entrou com um dos pedidos de impeachment da petista Dilma Rousseff. Hoje ele atua numa dissidência do MBL e foi eleito com mais de 155 mil votos para deputado federal.

Até mesmo o "príncipe", Luiz Philippe de Orleans e Bragança, conseguiu uma vaga na Câmara dos Deputados. Com a legenda de Bolsonaro, arrematou 118 mil votos em São Paulo.

Kim Kataguiri ficou conhecido como uma das principais lideranças do MBL na época do impeachment, quando ainda se colocava como um movimento apartidário. Hoje, filiado ao DEM, foi o quarto candidato com maior votação para a Câmara, com 465 mil votos. Também do MBL, o youtuber Arthur do canal Mamãefalei se elegeu para a Alesp.

Em sua conta no Twitter, Kim agradeceu aos votos e disse que fará de tudo para "pautar reformas importantes e estruturantes". O recém-eleito deputado federal já se lançou candidato à presidência da Casa nas redes sociais.

Eleita com mais de 54 milhões de votos há quatro anos, a presidente cassada acabou em quarto lugar na disputa e ficou de fora do Congresso neste ano. Seu adversário em 2014, o tucano Aécio Neves, que contestou o resultado das urnas, deixou o Senado para tentar uma vaga na Câmara e foi eleito. Já Paulo Skaf, presidente da Fiesp, à frente do emblemático pato amarelo, se lançou para governo de São Paulo pelo MDB, mas, em uma disputa acirrada, acabou de fora do segundo turno.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade