Publicidade

Estado de Minas POLÍTICA

Bolsonaro rompe isolamento partidário

Para quem começou como o candidato do ''eu sozinho'', o ex-capitão do Exército agora vislumbra até a possibilidade de ter maioria no Congresso


postado em 08/10/2018 10:41 / atualizado em 08/10/2018 12:03

(foto: Mauro Pimentel/AFP)
(foto: Mauro Pimentel/AFP)
 

No início do ano, o deputado Jair Bolsonaro parecia caminhar para ser o candidato à Presidência da República do eu sozinho. Depois de deixar o PSC, tentou se viabilizar como nome do PEN (que passou a se chamar Patriota para recebê-lo). Sem acordo com a legenda, procurou outra sigla considerada nanica, o PSL. E com o PSL, já no segundo turno e com o apoio de bancadas de peso, especialistas afirmam que Bolsonaro terá maioria no Congresso e condições de governabilidade caso venha a ser eleito Presidente da República.

 

                        Veja aqui o resultado das eleições no primeiro turno

A chegada no PSL foi cheia de turbulência. O partido, que iria se chamar Livres, recebeu Bolsonaro e perdeu parte dos seus simpatizantes (que formaram o movimento Livres). Em março, Bolsonaro trabalhava para garantir que o PSL tivesse ao menos cinco deputados. Naquela ocasião, ainda existia muita desconfiança do mundo político sobre a viabilidade de sua candidatura.

As pesquisas de opinião foram, aos poucos, mostrando que o candidato seria competitivo. Nesse período, com a coordenação do deputado Onyx Lorenzoni (cotado para assumir a Casa Civil em um eventual governo Bolsonaro), as poderosas bancadas evangélica, do agronegócio e da Segurança Pública foram se aproximando do candidato.

O movimento se acentuou graças ao fraco desempenho do candidato Geraldo Alckmin. Figuras do chamado Centrão, bloco que apoiou formalmente Alckmin, foram declarando preferência a Jair Bolsonaro. Candidatos ao governo de diversos Estados também fizeram esse movimento - de olho na onda de votos que um apoio a Bolsonaro poderia significar. O líder da maior igreja evangélica do País e dono da TV Record, Edir Macedo, chegou a gravar um vídeo de apoio ao nome do PSL.

Os candidatos ao governo de São Paulo, por exemplo, João Doria (PSDB) e Paulo Skaf (MDB) já deixaram claras suas inclinações bolsonaristas no segundo turno. Em Curitiba, Ratinho Jr. - eleito governador do Paraná já no primeiro turno - também indicou que vai de Bolsonaro no segundo turno.

Governabilidade

O tamanho dessa onda faz com que cientistas políticos acreditem que, no caso de vitória, Bolsonaro terá sim maioria no Congresso e condições de governabilidade. "Vai ter uma bancada grande - tendo o Centrão como base. Tudo indica que uma bancada de direita mais dura será eleita. Com ela, Bolsonaro vai poder conversar e governar", comenta o cientista político Claudio Couto (PUC-SP).

O também cientista político Humberto Dantas (USP) segue a mesma linha. "O PSL deve eleger dezenas de parlamentares. Além deles, vai contar com o velho centrão, parte do MDB, do PR, do PP, do DEM. As bancadas do Boi, da Bíblia e da Bala são muito fortes no Congresso e devem dar sustentação a Bolsonaro, caso ele seja eleito."

Além de tudo, Eduardo Bolsonaro (PSL), filho do candidato, bateu o recorde de votos absolutos para a Câmara, com mais de 1,8 milhão. Sua votação deve alavancar uma grande bancada do PSL na Câmara.

O cientista político Rodrigo Prando (Mackenzie) lembra que o Centrão e a direita moderada parecem ter abandonado o PSDB. "Tudo indica que os partidos que compõem o Centrão vão aceitar e colaborar com um eventual governo Bolsonaro. Portanto, ele terá, pelo menos de início, uma maioria que vai garantir a governabilidade."

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade