Publicidade

Estado de Minas POLÍTICA

Fernando Haddad diz que segundo turno é 'oportunidade de ouro' para discutir ideias com Bolsonaro

Candidato do PT diz que lutará pela vitória com 'argumentos', sem 'armas'


postado em 07/10/2018 21:55 / atualizado em 07/10/2018 22:20

Petista Fernando Haddad destacou que tentará a virada nas eleições com ideias, não com armas(foto: ALEX SILVA/ESTADAO CONTEUDO )
Petista Fernando Haddad destacou que tentará a virada nas eleições com ideias, não com armas (foto: ALEX SILVA/ESTADAO CONTEUDO )
 Em seu pronunciamento após a confirmação de que estará no segundo turno da eleição presidencial contra Jair Bolsonaro (PSL), Fernando Haddad, do PT, disse que terá uma “oportunidade de ouro” de mostrar ao Brasil, com “argumentos”, que é a melhor opção para o país no mandato que vai de 2019 a 2022. 

O petista destacou que tentará a virada nas eleições com ideias, não com armas. No primeiro turno, ele ficou com 28,95% dos votos válidos, contra 46,26% de Bolsonaro.

” Sempre estive do lado da liberdade, do lado da democracia, não vou abrir mão dos meus valores. Os meus valores são valores familiares inclusive, que infelizmente foram atacados nos últimos dez dias de forma muito sorrateira, mas o segundo turno nos abre uma oportunidade de ouro para discutir frente a frente, olho no olho, sem medo de ser feliz, sem medo do melhor argumento, e vencer essas eleições.  Viva o Brasil, viva a democracia, viva o povo brasileiro”, discursou.

Desde a primeira eleição direta, em 1989, nenhum candidato que terminou o primeiro turno na segunda posição conseguiu ser eleito na disputa contra o líder. Quem esteve mais perto de quebrar essa escrita foi Aécio Neves (PSDB), em 2014. O ex-governador de Minas Gerais e atual senador da República obteve 48,36% dos votos válidos, contra 51,64% de Dilma Rousseff, do PT.

Mas Haddad considera essa eleição atípica e confia numa virada do PT, apesar de Bolsonaro ter conseguido o dobro dos votos válidos. 

”Nós achamos que há muita coisa em jogo no Brasil de 2018 e é uma eleição incomum. É diferente do que aconteceu de 1989 pra cá, é uma eleição muito diferente de todas que nós já participamos. Nós já estivemos sempre em segundo lugar, sempre no segundo turno, quando houve segundo turno, ou em segundo lugar quando não houve segundo turno. Nós participamos de todas as eleições desde 1989. E nós asseveramos, essa de 2018 coloca muita coisa em jogo, muita coisa em risco, eu diria que o próprio pacto da Constituinte de 1988 está em jogo em função das ameaças que sofre quase que diariamente. Nós vamos enfrentar esse debate, nós queremos enfrentar esse debate muito respeitosamente. Nós vamos para o campo democrático com uma única arma, com o argumento. Nós não portamos armas, nós vamos com a força do argumento para defender o Brasil e o seu povo, sobretudo o povo mais sofrido desse país que espera responsabilidade social de todos nós”, disse Haddad.


”Gostaria de dizer a vocês que me sinto extremamente honrado pelos votos que recebi hoje, que garante o Partido dos Trabalhadores no segundo turno. Quero dizer a vocês que me sinto também desafiado pelos resultados, são bastante expressivos, no sentido de nos fazer atentar para os riscos que a democracia no Brasil corre. A oportunidade de um segundo turno é uma oportunidade particularmente em 2018, inestimável que o povo nos deu. E que nós precisamos saber aproveitar com sobriedade, mas também com senso de responsabilidade. Nós queremos unir os democratas do Brasil, queremos unir as pessoas que têm atenção aos mais pobres desse país, tão desigual. Nós queremos um projeto amplo para o Brasil, profundamente democrático, mas também que busque, de forma incansável, justiça social. Além disso, nós colocamos a soberania nacional e a soberania popular, que são dois conceitos irmãos, indissociáveis, conceito de soberania nacional e soberania popular acima de qualquer outro interesse, e vamos fazer um governo, se formos vitoriosos no segundo turno, e iniciaremos amanhã a campanha para sermos vitoriosos no segundo turno...Nós queremos unir o país em torno desse conceito”.

Em seus agradecimentos, Haddad lembrou o ex-presidente Lula, que está preso em Curitiba por conta de crimes de corrupção na operação Lava Jato. “Queria agradecer em primeiro lugar à minha família, que me acompanha há tanto tempo, minha esposa, há 30 anos comigo, queria agradecer o meu partido, Partido dos Trabalhadores, agradecer ao presidente Lula, queria agradecer os partidos da nossa coligação, PC do B e PROS, que tiveram conosco todo esse tempo”.

Ao fim do seu discurso, Haddad disse que já havia tido contato com três candidatos derrotados no primeiro turno: Ciro Gomes (3º, do PDT); Marina Silva (8ª, da REDE); e Guilherme Boulos (10º, do PSOL).

Ao fim da manifestação de Haddad, os petistas gritaram em peso: “Brasil, urgente, Haddad presidente!”

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade