Publicidade

Estado de Minas

Em live, Bolsonaro pede: 'vamos liquidar a fatura no primeiro turno'

Em último vídeo ao vivo transmitido em seu Facebook, presidenciável pediu para eleitores lutarem %u201Cpor mais um voto%u201D para garantir vitória no primeiro turno; exibição durou cerca de 25 minutos e reuniu ataques ao 'comunismo' de partidos como PT e PSOL


postado em 06/10/2018 21:13 / atualizado em 06/10/2018 21:59



Em última gravação antes das eleições presidenciais, o líder das pesquisas de intenção de voto, Jair Bolsonaro (PSL), convocou os eleitores para vencer ainda no primeiro turno. “Pelo Rio de Janeiro, já liquidamos a fatura no primeiro turno. Não é apelo, mas sim um pedido. Eu quero pedir a vocês para lutar por mais um voto, para liquidarmos a fatura ainda no primeiro turno. Tem muita gente indecisa ainda”, disse o candidato.  O filho dele e candidato ao Senado pelo Rio de Janeiro, Flávio Bolsonaro (PSL), também participou da programação. 

No início do vídeo, o candidato se lembrou de visitas a Recife (PE) e Fortaleza (CE), capitais de estados onde ele perde para Fernando Haddad (PT) e Ciro Gomes (PDT), respectivamente. Ele também fez menção a diversas outras capitais onde o PSL tem candidatos. Dessa menira, o militar fez um apelo por votos em concorrentes do partido dele. 

Este é o caso do estado de Roraima, classificado por ele como “menina dos olhos”. Segundo Bolsonaro, o estado tem potencial para ter uma economia como a do Japão. Ele também celebrou a segunda colocação de Antônio Denarium, também do PSL, na disputa para o governo do estado.
 
Ainda na exibição, o líder das pesquisas pontuou possíveis parcerias internacionais que seriam feitas em seu governo. Ele citou países como Coreia do Sul, Estados Unidos, Japão e Israel como alvos de sua política internacional. 

Novamente, o capitão da reserva fez duras críticas ao 'socialismo' e ao 'comunismo', adotado por partidos como PT e PSOL, conforme o posicionamento dele.

O presidenciável também chamou a atenção para o aplicativo 'Fiscais do Jair', no qual, segundo ele, haverá uma “apuração paralela”. A iniciativa é uma resposta à desconfiança que a campanha do militar tem com a urna eletrônica.

Além disso, Bolsonaro reafirmou que não tem preconceitos contra mulheres, negros e homossexuais. Ele classificou as acusações como “fake news”. 
 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade