Publicidade

Estado de Minas POLÍTICA

Alckmin: campanha de verdade só começa amanhã, quando muda horário da novela


postado em 30/08/2018 22:18 / atualizado em 31/08/2018 08:21

No último compromisso de campanha antes do início do horário eleitoral gratuito, o candidato do PSDB, Geraldo Alckmin, repetiu o mantra de que a campanha só começa com a entrada das inserções na TV e no rádio.

"A campanha de verdade só começa amanhã, quando muda o horário da novela", disse o tucano, que foi recebido por prefeitos e políticos aliados da região do Alto do Tietê, no interior de São Paulo.

Aos presentes, que fizeram festa e encheram o salão social de um clube da cidade de Mogi das Cruzes (SP), Alckmin disse que a "política boa" traz resultados e enumerou diversas obras da região, desde hospitais até duplicação da rodovia Mogi-Bertioga.

"Agora vejam o problema da política ruim: Venezuela país rico em petróleo e os venezuelanos fugindo para o Brasil porque não tem emprego. Na Argentina, país com as terras mais férteis da America Latina, a inflação 40% e os juros, 60%. O Brasil não pode correr esse risco, estamos numa encruzilhada", advertiu.

Bolsonaro

O encontro para militantes tucanos, do PSD, do DEM e do PR foi organizado pelo ministro da Ciência e Tecnologia, Gilberto Kassab e tem em vista dar uma mostra de união dos aliado no Estado para combater a liderança de Jair Bolsonaro no Estado que Alckmin se elegeu três vezes governador. Kassab e o líder do PR, Valdemar da Costa Neto, que é da região, não compareceram.

Aliados que discursaram antes do tucano exaltaram a necessidade dos presentes disputarem o voto de seus conhecidos. "Precisamos olhar nos olhos das pessoas e explicar que o melhor protesto que podemos fazer em 7 de outubro é votar certo", disse o ex-prefeito da cidade e candidato a deputado Federal, Marco Bertaiolli (PSD). "E isso significa analisar o currículo de quem vamos contratar para servir como o presidente nos próximos quatro anos."

"Cada um de nós tem que sair daqui e arrumar pelo menos de cem a mil votos para ganhar em São Paulo e levar vantagem para os outros Estados brasileiros", afirmou o deputado tucano Ricardo Trípoli, que disputa o Senado este ano.

Ausente do encontro, o ex-prefeito candidato ao governo do Estado, João Doria, foi citado apenas uma vez, por Alckmin. Já o senador José Serra apareceu no fim do evento e possibilitou uma última tirada do ex-governador antes de encerrar o encontro. "Eu e Serra temos um slogan: é dos careca que elas gostam mais".

Cunhado

Alckmin afirmou que ainda não tem conhecimento de que seu cunhado, Adhemar César Ribeiro, tenha admitido reuniões com empresários para arrecadar verbas para campanhas passadas. "Não tenho essa informação", disse o ex-governador ao chegar no evento em Mogi das Cruzes.

Segundo reportagem do jornal O Globo na internet, Ribeiro admitiu à Justiça que agendada reunião com empresários para discutir doações de campanha. O cunhado do tucano, no entanto, reiterou que as doações eram legais.

Ontem, no "Jornal Nacional", Alckmin negou que Ribeiro tenha participado da arrecadação de fundos eleitorais. "Isso é mentira. Minhas campanhas sempre foram simples e dentro da lei".

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade