Publicidade

Estado de Minas POLÍTICA

Em vídeo, Lula rasga elogios ao trabalho de Haddad como ministro da Educação

O vídeo foi ao ar durante transmissão ao vivo do partido pelas redes sociais, em uma tentativa do PT de compensar a ausência de Lula no primeiro debate televisivo entre candidatos à Presidência da República


postado em 10/08/2018 00:06 / atualizado em 10/08/2018 01:08

Após a exibição do vídeo de Lula, Haddad disse foi uma honra ter sido ministro do ex-presidente(foto: Flickr)
Após a exibição do vídeo de Lula, Haddad disse foi uma honra ter sido ministro do ex-presidente (foto: Flickr)
Em vídeo gravado e transmitido nas redes sociais pelo PT na noite desta quinta-feira, 9, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva rasgou elogios ao trabalho de Fernando Haddad como ministro da Educação durante seu governo. Haddad, que também foi prefeito de São Paulo, ocupa hoje o posto de vice na chapa presidencial de Lula e pode assumir a candidatura caso o ex-presidente seja impedido pela Justiça de disputar a eleição.

"Se juntarem todos os presidentes e ministros da Educação da história do Brasil, eles não visitaram 10% das universidades que eu e o Haddad visitamos, das escolas que inauguramos e dos debates que fizemos com os estudantes", disse o ex-presidente. "Não é à toa que ele ficou sete anos no Ministério e se tornou o ministro mais importante desse País", acrescentou.

O vídeo foi ao ar durante transmissão ao vivo do partido pelas redes sociais, em uma tentativa do PT de compensar a ausência de Lula no primeiro debate televisivo entre candidatos à Presidência da República, levado ao ar na pela Band.

Participaram da transmissão do PT, além de Haddad, a deputada gaúcha Manuela D'ávila (PCdoB), que será a vice na chapa após a definição legal sobre a candidatura de Lula, a presidente do PT, senadora Gleisi Hoffmann (PR), e Sérgio Gabrielli, que foi presidente da Petrobras durante boa parte dos governos petistas e hoje coordena a campanha petista.

Após a exibição do vídeo de Lula, Haddad disse foi uma honra ter sido ministro do ex-presidente.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade