Publicidade

Estado de Minas

Para juízes e analistas, colocar a Justiça na 'caixinha' é um risco

Magistrados e analistas repercutiram a declaração do pré-candidato Ciro Gomes


postado em 25/07/2018 12:00 / atualizado em 25/07/2018 12:06

São Paulo - As declarações do candidato à Presidência do PDT nas eleições 2018, Ciro Gomes, de que é necessário restaurar a autoridade do poder político", fazendo com que juízes e o Ministério Público voltassem para suas "caixinhas", foi criticada por juízes e analistas nesta quarta-feira, 25. Para eles, as falas do pedetista põem em risco a independência do Judiciário.

"Isso faz parte da reação de parte da política ao trabalho de juízes independentes. O mundo político precisa entender que o país precisa e quer trilhar outro caminho", avalia Fausto De Sanctis, desembargador do Tribunal Regional Federal da 3ª Região.

Em entrevista concedida ao programa Resenha, da TV Difusora, no Maranhão, no dia 16 deste mês, e publicada pelo jornal O Estado de S. Paulo nesta quarta-feira, 25, o candidato do PDT afirmou que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, condenado e preso na Operação Lava Jato, só teria chance de sair da cadeia se ele (Ciro) fosse eleito.

"Só tem chance de sair da cadeia se a gente assumir o poder e organizar a carga. Botar juiz para voltar para a caixinha dele, botar o Ministério Público para voltar para a caixinha dele e restaurar a autoridade do poder político", afirmou Ciro.

Ciro tentava explicar a estratégia do PT em insistir na candidatura de Lula - mesmo após a condenação em segunda instância da Justiça e prisão.

Durante fórum promovido pelo jornal nesta quarta-feira, com a participação de juízes, advogados e economistas, as declarações repercutiram. "Se ele fizer isso, ele segue o caminho da Venezuela e de outros países totalitários. Mas parto da hipótese que o Brasil já escolheu a via democrática", disse a economista Maria Cristina Pinotti.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade