Publicidade

Estado de Minas

Pré-candidatos ao governo de MG disputam apoio de lideranças nos municípios

Líderes políticos regionais considerados puxadores de votos travam disputa prévia em busca de apoios que podem ser decisivos para os pré-candidatos ao Palácio Tiradentes


postado em 21/05/2018 08:00 / atualizado em 21/05/2018 10:26

Minas são várias. E a sucessão estadual passa pelas diversas regiões do estado. As lideranças regionais – deputados federais e estaduais, prefeitos e ex-prefeitos das cidades-polo – se mantêm como grandes puxadores de votos e podem definir o rumo da escolha do futuro governador. Por isso, os pré-candidatos à sucessão mineira trabalham em busca de apoio desses caciques, que travam acirradas disputas na esfera regional, nos antigos “currais eleitorais”. Mas também há casos em que adversários deverão ficar juntos na eleição, apoiando o mesmo candidato a governador.

Os opositores usam como munição os problemas enfrentados pelo governador e pré-candidato à reeleição Fernando Pimentel (PT) como os atrasos de pagamento de pessoal e no repasse de recursos para os municípios. Os petistas rebatem, sob alegação que os transtornos surgiram devido a má condição financeira do estado herdada de gestões anteriores, ligadas ao PSDB do senador Antonio Anastasia, também pré-candidato a disputa estadual.

A Zona da Mata é uma das áreas que mais concentram caciques, com lideranças expressivas ligadas a Pimentel e a Anastasia, tendo ainda o ex-prefeito de Juiz de Fora, Bruno Siqueira, pré-candidato ao Senado pelo MDB. O partido aprovou em prévias o lançamento de candidatura própria, sob o comando do vice-governador Antonio Andrade, rompido com Pimentel.

Da mesma região, o deputado federal Julio Delgado, liderança do PSB, admite a possibilidade de não apoiar o pré-candidato a governador do seu partido, Márcio Lacerda, e vir acompanhar o atual governador, por conta de um entendimento nacional com o PT, envolvendo o apoio dos petistas ao PSB na eleição para governador de Pernambuco.

Disputa

No Triângulo Mineiro e no Leste do estado, PSDB e PT voltam a travar uma disputa, sendo que agora as prefeituras das duas cidades mais importantes dessas regiões, Uberlândia e Governador Valares, estão sob comando de aliados do pré-candidato tucano Antonio Anastasia. Na eleição de 2014, elas eram comandadas por petistas.

No Norte de Minas, uma das regiões mais carentes do estado e historicamente castigada pela seca, o apoio dos caciques sempre foi determinante na eleição estadual. Também historicamente, a região sempre deu maioria de votos para candidatos da situação, “tradição” que foi quebrada em 2014, quando Fernando Pimentel saiu vencedor na maioria dos municípios norte-mineiros.

Agora, à frente do governo e candidato à reeleição, Pimentel tem como principal cabo eleitoral no Norte do estado o deputado estadual Paulo Guedes (PT) que foi o mais votado no pleito de 2014, com 164 mil votos e que, neste ano, vai buscar uma cadeira na Câmara Federal, em dobradinha com Virgilio Guimarães (PT), ex-deputado federal que vai tentar uma vaga no parlamento estadual.

Guedes disse que vai trabalhar para que, mesmo diante das dificuldades da gestão estadual, Pimentel repita no Norte de Minas a mesma performance de 2014. “Mesmo diante da crise enfrentada, o nosso governo está superando as dificuldades e não perdeu o controle do estado, como aconteceu no Rio de Janeiro e no Grande do Sul. Temos feitos positivos, como a diminuição da violência em 30%”, afirma o parlamentar. Ele disse acreditar que pelo menos 60% dos prefeitos da região vão acompanhar o atual governador.

Também no Norte do estado, o ex-prefeito de Montes Claros Ruy Muniz (PSD) anuncia que vai se desdobrar para a eleição de Anastasia para governador, ao lado da mulher, a deputada federal Raquel Muniz (PSD). “Acredito que de 70% a 80% das lideranças região vão ficar com o Anastasia”, diz Muniz, que pretende disputar uma vaga para o Senado, mas lembra que não faz nenhuma exigência para que o pré-candidato a governador do PSDB venha a apoiá-lo no seu projeto pessoal. “O meu apoio é incondicional”.

No ano passado, quando estava filiado ao PSB, o ex-prefeito chegou a circular com o pré-candidato a governador Márcio Lacerda (PSB) pelo Norte do estado. “Mas, fizemos a opção pelo PSD e por uma questão partidária vamos encaminhar com o Anastasia. O povo entende a nossa condição”, diz Muniz. O pré-candidato tucano tem ainda o apoio dos deputados estaduais Gil Pereira (PP) e Arlen Santiago (PTB), também votados no Norte de Minas e com grande influência junto aos prefeitos.

Adversários No apoio a Antonio Anastasia, Ruy Muniz deverá ficar ao lado do atual prefeito de Montes Claros, Humberto Souto (PPS), seu adversário que o derrotou na eleição para a prefeitura em 2016. Ele afirma que não se incomoda com isso. “O voto é livre. O mais importante é todas as lideranças se unirem para eleger o Anastasia e recuperar Minas Gerais”, argumenta.

Por sua vez, o prefeito Humberto Souto argumenta que ainda não pode declarar apoio porque, “oficialmente”, o seu partido, o PPS, ainda não decidiu que caminho vai seguir na sucessão estadual. Porém, ele admite que sua “tendência pessoal” é acompanhar Antonio Anastasia. Quanto à possibilidade de vir a dividir espaço no palanque de rivais, como o ex-prefeito Ruy e a deputada federal Raquel Muniz, Souto argumenta: “Não tenho preocupação com isso. Eu, como prefeito, que sou a liderança. Então, os adversários é que estarão apoiando o meu candidato”.

Outra liderança norte-mineira, o ex-prefeito de Montes Claros e ex-deputado federal Jairo Ataíde (DEM) disse que não vai concorrer na eleição deste ano, mas quer trabalhar para o deputado federal Rodrigo Pachado, o pré-candidato a governador do seu partido. “Acho que o Rodrigo não tem ligações com a política do passado e conta todas as condições para governar o estado dentro de uma visão moderna”, opina Ataíde.

 

Olho nas regiões
A importância das lideranças regionais na sucessão estadual é enaltecida pelas direções do PT e do PSDB em Minas, que têm procurado promover encontros nas regiões para fortalecer suas campanhas para a eleição deste ano. “Os apoios a releição do governador Fernando Pimentel estão construídos em todas as regiões do estado. O Partido dos Trabalhadores tem realizado diversas atividades, encontros e reuniões por toda Minas Gerais no sentindo de estreitar ainda mais os laços com os movimentos populares, lideranças, apoiadores e com a população”, afirma a presidente estadual do PT, Cida Santos. O presidente estadual do PSDB, deputado federal Domingos Sávio, sustenta que o senador Antonio Anastasia angaria apoios das lideranças nas diferentes regiões porque durante as gestões tucanas, os municípios sempre tiveram um tratamento diferenciado. “O PSDB sempre compreendeu a importância dos municípios. Em nossas gestões a frente do governo do estado, todas as cidades mineiras foram atendidas, independente de questão partidária”, destacou Sávio.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade