Publicidade

Estado de Minas

Em MG, Ciro diz que não considera eleição sem Lula uma fraude

Presidenciável acredita que as esquerdas não tem histórico de união no primeiro turno do pleito


postado em 16/04/2018 15:15 / atualizado em 16/04/2018 15:44

(foto: Edesio Ferreira/EM/D.A Press)
(foto: Edesio Ferreira/EM/D.A Press)

O pré-candidato a presidente Ciro Gomes (PDT) afirmou na manhã desta segunda-feira (16) não acreditar na união da esquerda para as eleições presidenciais ainda no primeiro turno. Também não espera apoio do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva ou do PT. O presidenciável falou para empresários mineiros em um almoço em Nova Lima, na Grande BH.

Questionado se os partidos de esquerda estariam desarticuladas no Brasil, Ciro disse que não é uma tradição trabalhar juntos. "Tem uma frase antiga que diz que a esquerda brasileira só se une na cadeia", disse. Na sequência, o pré-candidato emendou que esses partidos só tem sido capazes de se aliar em momentos de polarização.

"O projeto do PT definitivamente não é o meu. E não é porque sou eu, não era o do Brizola", afirmou. Ciro disse que o trabalhismo foi negado pelo PT durante 20 anos.

Ciro disse que a visita fará ao ex-presidente Lula será em nome do partido e como amigo. "Não cometerei a indelicadeza de tratar uma palavra sequer de política com ele", afirmou. Ciro disse ser camarada de Lula há 30 anos e apoiar o projeto de poder do petista há 16 sem faltar um dia sequer.

Criticado por parte da esquerda por não ter participado do ato de resistência à prisão de Lula em São Bernardo do Campo, Ciro questionou por que deveria estar presente, mas explicou que estava em compromisso no exterior. "A prisão do Lula me apanhou em Boston, era impossível vir", acrescentou.

Ciro, porém, discordou do mote dos defensores do petista. "É muito improvável que alguém tenha mais respeito e carinho pelo Lula do que eu, mas não se pode fazer a afirmação de que eleição sem Lula é fraude", afirmou.

Apesar da proximidade, Ciro não espera herdar o apoio nem os votos do petista. "Nós do PDT somos experientes e maduros. Estamos cansados de saber que o PT não apoiará ninguém, a não ser um deles próprios nessa eleição."

O pré-candidato também comentou a última pesquisa eleitoral do DataFolha, que lhe deu um crescimento sem a inclusão da presença de Lula no cenário. Ele se considera competitivo mas afirma que o momento ainda vai mudar com as definições das candidaturas.

Ciro também falou sobre a ascensão do ex-presidente do STF Joaquim Barbosa. Para ele, o magistrado ocupa o lugar que foi do apresentador de TV Luciano Huck. "Daqui pra frente ele vai ser exposto a fricção. Na democracia a gente se apresenta e as pessoas querem ouvir o que seremos capazes de produzir para eles", disse.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade