Publicidade

Estado de Minas

Perfil: conheça os principais fatos da vida do ex-presidente Lula

Ex-metalúrgico foi o mandatário mais popular da história, mas acabou engolido pela corrupção, condenado e detido


postado em 08/04/2018 06:00 / atualizado em 08/04/2018 07:43

(foto: / AFP / NELSON ALMEIDA )
(foto: / AFP / NELSON ALMEIDA )

Há oito anos, Luiz Inácio Lula da Silva deixou a Presidência da República com o maior índice de aprovação da história do Brasil. Ontem, Luiz Inácio Lula da Silva deixou o Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, em São Bernardo do Campo, para se tornar o primeiro ex-presidente do país preso por corrupção. Viver situações opostas está longe de ser incomum na trajetória de Lula.

A criança que deixou o agreste pernambucano cercado de pobreza e dificuldades assumiu décadas depois o cargo mais importante do país e se tornou um personagem de destaque internacional. O

petista nasceu Luiz Inácio da Silva – sem o Lula – em Garanhuns, em 1945. Aos 7 anos, migrou com a mãe e os irmãos para São Paulo, em ônibus pau-de-arara, em busca de melhores condições de vida. Trabalhou como engraxate, pintor e vendedor de todo tipo de coisa no cais do Guarujá, no litoral paulista.

Vida de metalúrgico


Aos 16 anos fez curso de tornearia mecânica, na escola do Senai, e logo depois começou a trabalhar em uma siderúrgica que produzia parafusos. Ali sofreu um acidente na máquina e perdeu o dedo mindinho da mão esquerda. Passou meses desempregado até conseguir novo trabalho em uma grande empresa metalúrgica ede São Bernardo do Campo, no ABC Paulista.

Ali começaria sua trajetória política ao ingressar no movimento sindicalista no final dos anos 1960. Em 1972, Lula foi eleito 1º secretário do Sindicato dos Metalúrgicos de São Bernardo do Campo e Diadema. A projeção nacional apareceu pela primeira vez em 1977, ao liderar os primeiros movimentos de reivindicações e greves operárias durante a ditadura militar.

Preso pela ditadura


A prisão do ex-presidente concretizada ontem não foi a primeira que o petista enfrentou. Em abril de 1980, meses antes da fundação do Partido dos Trabalhadores, Lula foi preso por liderar uma greve no ABC Paulista. Enquadrado na Lei de Segurança Nacional, passou um mês preso e foi cassado do cargo de secretário do sindicato.

“O que aconteceu quando eles me prenderam? Foi uma motivação a mais para a greve continuar. As mulheres fizeram uma passeata muito bonita em São Bernardo do Campo. Depois, foi aquele 1º de maio histórico, em que o Vinícius de Moraes foi, e a greve durou mais de 30 dias”, contou Lula em depoimento à Comissão Nacional da Verdade.

Durante o mês que ficou preso, na sede do Dops, em São Paulo, Lula deixou o local uma vez, para ir ao velório de sua mãe, vítima de um câncer.

Fundação do PT


Em 1980, ao lado de lideranças operárias, religiosas e intelectuais, Lula fundou o Partido dos Trabalhadores, do qual foi o primeiro presidente. Ao longo dos anos 1980, o líder sindical teve grande participação no movimento pelas Diretas Já e foi eleito para deputado federal em 1986 (com a maior votação para a Câmara até aquele momento), tendo participado da elaboração da Constituição de 1988.

Presidente após três derrotas


A primeira eleição presidencial depois da ditadura militar foi realizada em 1989, quando Lula foi derrotado por Fernando Collor de Mello no segundo turno.Ela perderia mais duas eleições, em 1994 e 1998, para Fernando Henrique Cardoso (PSDB), sempre com grande rejeição por suas ideias consideradas radicais por vários setores da sociedade.

Em 2002, com um tom mais ameno – o chamado “Lulinha paz e amor” –, Lula venceu as eleições presidenciais e se tornou o primeiro operário presidente do Brasil.

Inclusão social e corrupção


Se por um lado seus governos ficaram marcados por programas bem-sucedidos de transferência de renda e de inclusão social da população mais pobre, por outro ficou marcado por escândalos de corrupção. Em 2005, veio à tona um esquema de pagamento de propina a parlamentares de vários partidos para votar de acordo com interesses do governo no Congresso.

O chamado mensalão chacoalhou o governo petista e os principais nomes do PT deixaram seus cargos. Em entrevista emocionado, Lula afirmou que tinha sido “traído” e que não sabia do esquema.

Popularidade para eleger Dilma


O petista conseguiu driblar a maior crise de seu governo e aproveitou os bons números da economia para recuperar sua popularidade. No último ano de governo, Lula registrou índices recorde de aprovação, alcançando avaliações positivas de mais de 80% da população. Na campanha de 2010, conseguiu transferir sua popularidade alta para sua então ministra Dilma Rousseff, que se tornou a primeira mulher presidente do Brasil.

Câncer e palestras


Em 2011, já foram do Palácio do Planalto, Lula foi diagnosticado com câncer de laringe e passou quase o ano inteiro em tratamento. Como ex-presidente Lula passou a dar palestras por vários países. Atuação que foi apontada por investigadores da Operação Lava-Jato como parte de um esquema de corrupção envolvendo grandes empresas brasileiras que patrocinavam suas palestras.

Escândalo da Petrobras


Com o desbaratamento do escândalo de desvio de recursos públicos da Petrobras para financiar o PT e partidos aliados, Lula foi citado por vários delatores como beneficiário do esquema. Em 2016, o ex-presidente foi denunciado pelo Ministério Público Federal por obstrução à Justiça, lavagem de dinheiro, tráfico de influência, corrupção e organização criminosa. De acordo com os procuradores, Lula “chefiou um megaesquema de corrupção”.

Condenado por corrupção


Em 12 de julho de 2017, Lula se tornou o primeiro ex-presidente condenado por corrupção, quando o juiz Sergio Moro, responsável pelas investigações da Lava-Jato, o sentenciou a nove anos e seis meses de prisão no processo do apartamento triplex do Guarujá. Em processo que andou em velocidade rápida e foi muito questionado pela defesa de Lula, o petista teve a pena aumentada em janeiro deste ano pelo Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4).

Como se tornou ficha-suja, deve ter interrompido seu sonho de voltar ao Palácio do Planalto pelo Tribunal Superior Eleitoral.

Prisão em Curitiba


Após ver suas tentativas de recorrer aos tribunais superiores – STJ e STF – fracassarem, Lula teve sua prisão decretada na quinta-feira. Ficou dois dias no Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, onde começou sua trajetória política, e ontem se entregou à Polícia Federal para começar a cumprir sua pena. Alvo de grandes manifestações que tomaram as ruas do país exigindo sua prisão, Lula fez um discurso inflamado e emocionado na sede do sindicato e criticou o Judiciário, o Ministério Público e a imprensa.

“Quanto mais eles me atacam, mais cresce minha relação com o povo brasileiro”, afirmou no palanque, horas antes de ser preso.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade