Publicidade

Estado de Minas

Sérgio Moro determina prisão do ex-presidente Lula

Decisão ocorre menos de 24 horas depois de o Supremo Tribunal Federal (STF) negar habeas corpus a Lula


postado em 05/04/2018 18:05 / atualizado em 05/04/2018 18:29

(foto: / AFP / EVARISTO SA )
(foto: / AFP / EVARISTO SA )

O juiz Sérgio Moro determinou na tarde desta quinta-feira a prisão do ex-presidente Lula (PT), no dia seguinte ao Supremo Tribunal Federal (STF) negar ao petista o habeas corpus para que ele aguardasse em liberdade, até que todos os recursos, inclusive de terceira instância, fossem esgotados. Lula foi condenado a 12 anos e um mês por lavagem de dinheiro e corrupção passiva, no caso envolvendo o apartamento triplex, no Guarujá (SP).

No despacho, o juiz Sérgio Moro, da 13ª Vara da Justiça federal, em Curitiba (PR), determina que Lula tem até às 17h desta sexta-feira para se entregar.

“Considerando o exaurimento dessa instância recursal – farte no descabimento de embargos infringentes de acórdão unânime – deve ser dado cumprimento á determinação de execução da pena, devidamente fundamentada e decidida nos itens 7 e 9.22 do voto condutor do desembargador relator da apelação, 10 do voto do desembargador revisor e 7 do desembargador vogal”, afirma Moro no despacho.

Ainda de acordo com determinação do juiz federal Sérgio Moro deu prazo até esta sexta-feira, ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva para se apresentar "voluntariamente" à Polícia Federal em Curitiba, base da Operação Lava-Jato.

"Relativamente ao condenado e ex-Presidente Luiz Inácio Lula da Silva, concedo-lhe, em atenção à dignidade cargo que ocupou, a oportunidade de apresentar-se voluntariamente à Polícia Federal em Curitiba até as 17:00 do dia 06/04/2018, quando deverá ser cumprido o mandado de prisão", anotou.

A denúncia da força-tarefa da Lava-Jato atribui a Lula a lavagem de R$ 2,2 milhões. O valor corresponde ao triplex no condomínio Solaris, no Guarujá, e suas respectivas reformas, supostamente custeadas pela empreiteira OAS. O processo envolve o suposto favorecimento da construtora em contratos com a Petrobras.

 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade