Publicidade

Estado de Minas

HC de Lula: Comandante diz que Exército está 'atento' contra impunidade

Segundo ele, a corporação compartilha anseios do 'cidadão de bem'. O general Villas Boas usou as redes sociais para mandar o recado velado ao STF.


postado em 03/04/2018 21:45 / atualizado em 04/04/2018 08:08

A fala do general Villas Boas chamou a atenção na noite desta terça-feira(foto: Tomaz Silva/Agencia Brasil )
A fala do general Villas Boas chamou a atenção na noite desta terça-feira (foto: Tomaz Silva/Agencia Brasil )

Na véspera da decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) sobre o habeas corpus que pode evitar a prisão do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), o comandante do Exército Brasileiro, general Villas Boas, usou as redes sociais para dizer que a corporação está atenta às suas “missões institucionais". 

 

“Asseguro à Nação que o Exército Brasileiro julga compartilhar o anseio de todos os cidadãos de bem de repúdio à impunidade e de respeito à Constituição, à paz social e à Democracia, bem como se mantém atento às suas missões institucionais”, postou o general . Apesar de ele não citar o habeas corpus de Lula, a fala soou como um recado velado ao STF.

 

O chefe do exército disse ainda que é preciso avaliar as instituições do país. “Nessa situação que vive o Brasil, resta perguntar às instituições e ao povo quem realmente está pensando no bem do País e das gerações futuras e quem está preocupado apenas com interesses pessoais?”, questionou.

 

Em cerca de uma hora, o post teve cerca de 6 mil curtidas e 3 mil compartilhamentos.

 

A declaração ocorre em um momento de total pressão sobre o Supremo Tribunal Federal (STF), que julga nesta quarta-feira (4) o habeas corpus de Lula. O petista foi condenado pelo Tribunal Regional Federal (TRF4) a 12 anos e um mês de prisão pelo caso do triplex no Guarujá.

 

Rodrigo Janot, ex-Procurador-Geral da República, lamentou a fala do general do Exército Brasileiro. Em sua página oficial no Twitter, Janot disse "Isso definitivamente não é bom. Se for o que parece, outro 1964 será inaceitável. Mas não acredito nisso realmente". 

(foto: Reprodução/Twitter)
(foto: Reprodução/Twitter)
 

 

 

 

 

 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade