Publicidade

Estado de Minas

Deputado da tatuagem consegue cargo para 'filhão' no governo Temer

Wladimir Costa anunciou que o indicado terá R$ 100 milhões para gastar com os municípios do Pará. O jovem Yorann vai ganhar cerca de R$ 10 mil por mês


postado em 28/01/2018 09:53 / atualizado em 28/01/2018 10:15

Wlad comemorou a nomeação do filho, que vai ganhar cerca de R$ 10 mil(foto: Reprodução Facebook)
Wlad comemorou a nomeação do filho, que vai ganhar cerca de R$ 10 mil (foto: Reprodução Facebook)

O deputado federal Wladimir Costa (SD/PA), que ficou conhecido como o deputado da tatuagem,  conseguiu emplacar o filho de 22 anos em um cargo no governo do presidente Michel Temer (PMDB). O parlamentar indicou Yorann Costa para a vaga de delegado federal da Secretaria Nacional do Desenvolvimento agrário. Assim que saiu a nomeação, Wlad aproveitou para anunciar para os eleitores do seu estado que o herdeiro político terá em torno de R$ 100 milhões para “aplicar” nos municípios paraenses.

A nomeação foi confirmada no Diário Oficial da União de sexta-feira (26) e o salário do filho de Wladimir será de R$ 9.926,60. Adepto dos holofotes, o deputado usou as redes sociais para comemorar a nomeação. Ele disse que, na função, o filho será responsável por titularizar as terras fundiárias e fomentar e incentivar a produção rural no Pará. “Apesar de muito jovem, Yorann possui também um perfil de gestor nato e conhece bem o setor de fomento”, diz o texto.

O deputado disse que o filho vai ser formar em direito e gestão pública e não vai decepcionar. “Deus te abençoe, filhão”, afirmou. Yorann é presidente executivo do Solidariedade Jovem. O partido vem dando ampla divulgação aos feitos do herdeiro de Wladimir.

Wlad apareceu com a tatuagem na véspera da votação de denúncia contra Temer(foto: Reprodução)
Wlad apareceu com a tatuagem na véspera da votação de denúncia contra Temer (foto: Reprodução)
Wladimir Costa ficou conhecido por aparecer com uma tatuagem com o nome do presidente Michel Temer (PMDB) no ombro, na véspera da votação de uma das denúncias contra o peemedebista na Câmara. Dias depois, revelou que a homenagem era de hena e a removeu.

Na votação do impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff (PT) ele também conseguiu fama ao explodir um rojão de confetes no plenário, quando anunciou o voto contra a petista.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade