UAI
Publicidade

Estado de Minas

Marcos Valério está em presídio onde detentos têm chaves das celas

Marcos Valério foi condenado a 37 anos e cinco meses de prisão no escândalo que ficou conhecido como mensalão do PT


postado em 18/07/2017 12:13 / atualizado em 18/07/2017 12:25

(foto: Euler Junior/EM/D.A Press - 28/05/14)
(foto: Euler Junior/EM/D.A Press - 28/05/14)

Belo Horizonte - O ex-empresário Marcos Valério Fernandes de Souza foi transferido na noite desta segunda-feira, 17, da Penitenciária de Segurança Máxima Nelson Hungria, em Contagem, na Região Metropolitana de Belo Horizonte, para a Associação de Proteção e Assistências ao Condenado (Apac) de Sete Lagoas, também na Grande BH. Nesta prisão, parte dos presos tem as chaves das celas e os seguranças não andam armados.

(foto: Euler Junior/EM/D.A Press - 28/05/14)
(foto: Euler Junior/EM/D.A Press - 28/05/14)
Entre os critérios para cumprir pena em uma Apac, estão concordar com as regras de ressocialização do centro de detenção e ter parente residente no local. Antes da transferência é necessário, ainda, ouvir o Ministério Público e a administração prisional. A defesa do ex-empresário alega que a mulher de Valério mora em Sete Lagoas.

Nas Apacs os condenados não usam uniforme e os seguranças não portam armas. Marcos Valério já havia pedido transferência para outra Apac, de Lagoa da Prata, no Centro-Oeste de Minas. Porém, a ida para a instituição não ocorreu porque ficou comprovado que o ex-empresário, ao contrário do que alegou à época, não tinha parentes residindo no município.

Marcos Valério foi condenado a 37 anos e cinco meses de prisão no escândalo que ficou conhecido como mensalão do PT e estava preso desde 2013 em Contagem. Segundo o advogado do ex-empresário, Jean Kobayashi, Valério cumpre todos os pré-requisitos para que passe a cumprir a pena em uma Apac.

O ex-empresário, que também responde ação por envolvimento no mensalão mineiro, negocia desde o ano passado delação premiada com a Procuradoria-Geral da República (PGR). Sua defesa afirma que já esteve em Brasília tentando fechar o acordo. Além disso, integrantes do Ministério Público Federal viajaram a Belo Horizonte para dar andamento às negociações. Até o momento, no entanto, o acordo não foi concluído.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade