Publicidade

Estado de Minas

Temer anuncia força-tarefa para fiscalizar frigoríficos no país

Decisão foi apresentada em reunião com embaixadores de países que importam a carne brasileira. Ele ainda chamou os diplomatas para jantar em uma churrascaria em Brasília após o encontro


postado em 19/03/2017 17:50 / atualizado em 19/03/2017 18:49

Michel Temer teve várias reuniões neste domingo, entre elas, com embaixadores de países que importam a carne brasileira(foto: Palácio do Planalto/Divulgação)
Michel Temer teve várias reuniões neste domingo, entre elas, com embaixadores de países que importam a carne brasileira (foto: Palácio do Planalto/Divulgação)

O presidente Michel Temer (PMDB) anunciou neste domingo a criação de uma força-tarefa para fiscalizar os frigoríficos investigados na Operação Carne Fraca – deflagrada na sexta-feira e que revelou fraudes envolvendo mais de 20 marcas dos principais frigoríficos do país.

A operação investigou o envolvimento de fiscais do Ministério da Agricultura em um esquema de liberação de licenças e fiscalização irregular de frigoríficos mediante pagamento de propina.

O anúncio foi feito em reunião com embaixadores de países que importam carne brasileira. Ele ainda chamou os diplomatas para jantar em uma churrascaria em Brasília depois da reunião.

“Nós tomamos várias deliberações no dia de hoje. A primeira delas é que decidiu-se acelerar o processo de auditoria nos estabelecimentos citados na investigação da Polícia Federal que são, na verdade, 21 unidades no total. Três dessas unidades foram suspensas e todas as 21 serão imediatamente colocadas sob regime especial de fiscalização a ser conduzida por força-tarefa do Ministério da Agricultura”, declarou Temer.

Em um discurso de cerca de 10 minutos, o presidente afirmou ser fundamental o encontro com os embaixadores para o governo explicar a operação. Ele ainda disse que a forma como a Carne Fraca foi apresentada pela imprensa “pode ter criado uma preocupação muito grande”. E lembrou que dos 11 mil funcionários do Ministério da Agricultura, 33 estão sendo investigados no esquema.

De acordo com o presidente, o objeto da apuração não é o sistema de defesa agropecuária brasileira, que segundo ele, tem rigor reconhecido.

“A inspeção que se faz aqui no Brasil é rigorosa. De igual maneira, é feita nova avaliação quando os produtos chegam nos países”, ponderou.


O ministro da Agricultura Blairo Maggi, que participou da reunião, afirmou que nos últimos 60 dias, apenas seis empresas fizeram remessa de mercadoria ao exterior. "Estamos atentos e vamos resolver os problemas que aí estão", disse.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade