UAI
Publicidade

Estado de Minas

Minas pode não aderir à renegociação das dívidas se projeto de lei não mudar

A postura saiu depois de acordo entre o governador Fernando Pimentel (PT) secretários de governo e representantes dos militares. Os policiais reclamam do texto do PL que determina, entre outras coisas, o congelamento dos salários da corporação


postado em 19/12/2016 18:18 / atualizado em 20/12/2016 11:35

Após reunião com Polícia Militar, o secretário de Estado de Governo, Odair Cunha, informou que, caso o PLP 257 - que trata da renegociação das dívidas dos estados com União -, seja votado e sancionado como se encontra, Minas Gerais não vai aderir ao programa de recuperação fiscal da União.

Policiais militares e civis reagiram ao texto, que impõe regras como congelamento de salários por 10 anos e proibição de promoções.

"Entendemos que as contrapartidas são desproporcionais e desmedidas. Elas aprofundam a crise", afirma Cunha. Segundo o secretário, a modificação do PLP no Senado gerou descontentamento e não resolve o problema de Minas e vários outros estados.

O texto do projeto prevê que se os estados aderirem à proposta, eles terão que congelar salários, promoções e contratações de policiais militares e bombeiros pelos próximos anos.

Hoje mais cedo cerca de mil integrantes das duas corporações participaram de protesto contra o PL que está em tramitação na Câmara dos Deputados. Cerca de mil pessoas, de acordo com a PM, participaram do ato.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade