Publicidade

Estado de Minas

"Não tem cacique me apoiando", diz Kalil sobre adesão do PDT de MG

O ex-presidente do Atlético comemorou o apoio dos pedetistas do estado, mas manteve o discurso de que não quer caciques na campanha


postado em 07/10/2016 06:00 / atualizado em 07/10/2016 11:10

Kalil comemorou o apoio(foto: Uarlem Valério)
Kalil comemorou o apoio (foto: Uarlem Valério)

A disputa pela Prefeitura de Belo Horizonte rachou o PDT mineiro. A executiva estadual divulgou nesta quinta-feira uma nota informando que aprovou o apoio ao ex-presidente do Atlético Mineiro Alexandre Kalil (PHS) na disputa, com 19 votos e duas abstenções. Na quarta-feira pela manhã, o candidato Sargento Rodrigues (PDT) havia empenhado apoio a João Leite (PSDB).

“É um novo tempo. Tempo de renovação da esperança em todos os trabalhadores e trabalhadoras, e nós do PDT, optamos sempre pelo lado de quem trabalha e produz neste país. Portanto, não existe possibilidade de comungarmos com um programa que vá na contramão disso. As representações partidárias precisam manter acesa a chama da transformação social e dias melhores para todos e todas”, diz trecho da nota, assinada pela presidente estadual do partido, Sírley Soalheiro.

Ao comentar o a decisão do PDT estadual, durante visita à Região Leste, Kalil disse que a participação “é muito benvinda”. “Não tem cacique (me apoiando). É a base, um apoio espontâneo, sem negociar nada no escuro, em sala fechada”, afirmou o candidato. “Apoio de gente eu quero, eu não quero é cacique metendo o bedelho (na campanha)”, argumentou Kalil.

A nota diz ainda que foi registrado um documento em que alguns filiados oficializam a renúncia aos cargos que ocupam no diretório municipal por discordarem das posições adotadas durante as eleições deste mês. “O PDT perdeu o único vereador, e, pela primeira vez na história do partido, não terá um representante do trabalhismo naquela casa”, afirma a nota.

A legenda lançou a candidatura a prefeito do deputado estadual Sargento Rodrigues – que terminou na nona colocação do pleito, com 2,88% dos votos – e não conseguiu eleger nenhum vereador. Na quarta-feira, o deputado anunciou apoio a João Leite.

Ontem, Sargento Rodrigues criticou a decisão do diretório estadual. “Isso não é novidade. A presidente, que é interina, trabalhou nos bastidores contra a minha campanha”, afirmou. Presidente do PDT municipal, Rodrigues disse que mantém o apoio ao candidato do PSDB, já que o diretório municipal tem autonomia em relação a decisões da executiva estadual. “Fui legitimamente eleito para um período de dois anos, quem fala pelo PDT municipal é o presidente”, completou.

Após a Praça de Esportes Louis Braile, no Bairro Saudade, Região Leste, o candidato do PHS reclamou da falta de cuidado pela atual administração. “Estou provando que nós temos tudo e que nada funciona. Um lugar que era para ser frequentado e cuidado, está trancado”, reclamou. De acordo com ele, caso eleito, a ideia é fazer uma pequena reforma e retirar do local moradores de rua e traficantes que usam o ponto à noite para vender drogas. “Estamos em um lugar com ginásio iluminado, entregue a morador de rua e traficantes. É capinar, limpar e pôr humanidade aqui”, concluiu.


Publicidade