Publicidade

Estado de Minas

Candidatos a vereador são alvo de campanha apócrifa em Belo Horizonte

Gilson Reis (PCdoB), Arnaldo Godoy (PT) e Pedro Patrus (PT), candidatos a reeleição, são acusados de serem contra as crianças e a família


postado em 26/09/2016 07:00 / atualizado em 26/09/2016 08:37

Vereador Gilson Reis é um dos candidatos alvo de campanha apócrifa na capital mineira(foto: Divulgação/Facebook)
Vereador Gilson Reis é um dos candidatos alvo de campanha apócrifa na capital mineira (foto: Divulgação/Facebook)
 

Os vereadores Gilson Reis (PCdoB), Arnaldo Godoy (PT) e Pedro Patrus (PT), candidatos a reeleição, estão sendo alvos de uma campanha apócrifa nas ruas de Belo Horizonte. No caso de Gilson Reis, a fachada de seu escritório político no bairro Padre Eustáquio, zona noroeste da cidade, amanheceu na quarta-feira passada colada com cartazes contra ele. Os postes do bairro também.

Ontem, os mesmos cartazes começaram a ser vistos na zona sul de Belo Horizonte e panfletos com o mesmo teor foram deixados nas caixas de correio de casas e apartamentos no bairro Padre Eustáquio. Imagens de segurança das câmaras do escritório do vereador mostram um grupo de cinco jovens colando o material durante a madrugada. O vídeo (confira logo abaixo)  já está com a Polícia Federal, responsável por investigar crimes eleitorais.

 O texto de um dos cartazes alega que eles votaram a favor da implantação de banheiros unissex e também de “ensino deturpado da sexualidade para as crianças”. “Não vote em que é contra a inocência da criança”, anuncia o panfleto anônimo, que traz a foto dos três vereadores. Outro panfleto acusa Gilson Reis de ser contra a família e de querer que as “crianças aprendam na escola que meninos não nascem meninos e que meninas não nascem meninas (ideologia de gênero)”.

Cita ainda que ele tentou inclusão da ideologia de gênero na votação do Plano Municipal de Educação, em dezembro passado, aprovado pela Câmara Municipal sem nenhuma referência à essa questão. Gilson Reis disse que já sabe quem são os autores dos cartazes, mas preferiu não citar nomes antes da conclusão das investigações pela Polícia Federal.

“Eu não sou contra a família. Pelo contrário, sou a favor. Existem muitos tipos de família hoje no Brasil e todas devem ser seus direitos preservados e garantidos”, defendeu o vereador. Segundo ele, a proposta que a bancada do PT e do PCdoB tentou incluir no Plano Municipal de Educação tinha a intenção de “incluir os estudantes homoafetivos nas escolas”. “Existe uma grande evasão escolar dessas pessoas por falta de apoio nas escolas”.

O advogado do candidato, Thiago Camargos, disse que já foi entregue uma denúncia à Justiça Eleitoral e ao Ministério Público, que já investiga o caso. “Esse tipo de coisa não contribuiu em nada para a democracia e só deseduca a população”. Segundo ele, os autores podem ser condenados a prisão já que divulgar informações falsas contra candidatos é sujeita a punição de até três anos de detenção.

 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade