Publicidade

Estado de Minas

Capivaras e IPTU esquentam debate entre candidatos à PBH

Candidato do PHS é o principal alvo do segundo debate na TV entre postulantes à prefeitura, que foi marcado por acusações


postado em 17/09/2016 06:00 / atualizado em 17/09/2016 12:10

Novo debate, realizado ontem à noite, reuniu oito dos 11 candidatos à prefeitura da capital mineira (foto: Marcos Vieira/EM/DA Press/Reprodução TV)
Novo debate, realizado ontem à noite, reuniu oito dos 11 candidatos à prefeitura da capital mineira (foto: Marcos Vieira/EM/DA Press/Reprodução TV)


Dívida de IPTU e capivaras na Pampulha acirraram os ânimos no segundo debate entre candidatos à Prefeitura de Belo Horizonte, promovido na noite desta sexta-feira pela emissora Rede TV. O principal embate ocorreu entre Délio Malheiros (PSD) e Alexandre Kalil (PHS), que também foi alvo de acusações e críticas de outros concorrentes. Além dos dois candidatos, o evento teve a participação de João Leite (PSDB), Luis Tibé (PTdoB), Marcelo Álvaro Antônio (PR), Reginaldo Lopes (PT), Rodrigo Pacheco (PMDB) e Sargento Rodrigues (PDT). Eros Biondini (PROS), Vanessa Portugal (PSTU) e Maria da Consolação (PSOL) não foram convidados. Novato na política e segundo lugar em pesquisas de opinião, atrás de João Leite (PSDB), Kalil tem sido foco preferencial dos ataques em debates e entrevistas. Foi Sargento Rodrigues (PSD) quem abriu fogo contra Kalil, logo no primeiro bloco, quando candidatos escolhiam quem responderia a uma pergunta.

Rodrigues afirmou que Kalil deve R$ 100 mil de IPTU (Imposto Predial e Territorial Urbano) à prefeitura e perguntou como ele faria para resolver essa pendência. Kalil assumiu que deve e partiu para o ataque. “Aqui nesta sala temos apropriação indébita, corrupção. Sou muito diferente de todo mundo”, rebateu. Kalil tem reforçado a imagem de gestor eficiente e dito que não vai fazer obras, mas pôr para funcionar as que já existem.

Kalil deu sequência ao debate, com pergunta para ao atual vice-prefeito, Délio Malheiros. Questionou se o PSDB sabe ou não fazer um bom trabalho, já que, embora tenho sido base do prefeito Marcio Lacerda, os tucanos acabaram de desembarcar do governo municipal. Délio ignorou a pergunta e atacou Kalil. “Se o senhor pagar o IPTU que deve, daria para pagar 10 mil mamografias”, afirmou. A resposta do candidato do PHS foi provocativa, acusando ainda os candidatos de se unirem para desgastar a sua imagem. “Queria poder debater num nível melhor, mas não vão deixar. A função mais importante que já recebeu na vida foi cuidar de 50 capivaras. Quem não deu conta de cuidar de capivara não pode dar conta de cuidar de 2,4 milhões de habitantes”, responder ele a Malheiros. A crítica foi referência à tentativa de a prefeitura controlar a população de capivaras na orla da lagoa, trabalho encabeçado por Malheiros. Na semana passada, houve a divulgação da morte de uma criança com suspeita de febre maculosa. Em dobradinha com Malheiros, Rodrigo Pacheco, que já havia criticado o fato de Kalil não prometer obras, voltou a atacar o adversário.

O primeiro bloco do debate foi o mais quente. Nos demais blocos, candidatos responderam a perguntas de jornalistas e de eleitores. Nesses dois momentos, candidatos passaram a focar mais na discussão de suas propostas para a cidade, principalmente nas áreas de saúde e segurança.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade