Publicidade

Estado de Minas

Candidatos à Prefeitura de BH dão largada à campanha

João Leite iniciou com visita à Santa Casa e Rodrigo Pacheco ouviu moradores da Vila Maria . Délio se reuniu com representantes do setor cultural


postado em 16/08/2016 12:19 / atualizado em 16/08/2016 19:42

Os candidatos à Prefeitura de Belo Horizonte começaram a campanha eleitoral bem cedo nesta terça-feira. O candidato do PSDB, João Leite, iniciou a campanha com uma visita à Santa Casa e o candidato do PMDB à PBH, Rodrigo Pacheco, visitou a Vila Maria, periferia da capital mineira.Já o vice-prefeito Délio Malheiros (PSD) fez campanha com a classe cultural.

 

Na Santa Casa, João Leite recebeu um documento com as reivindicações da direção. A principal queixa é em relação à falta de recursos para custear as atividades.

A Santa Casa é hoje o maior hospital prestador de serviços ao SUS de Minas Gerais e o primeiro do Brasil. O balanço financeiro da instituição aponta um déficit de R$ 19,5 milhões, somadas a maternidade, especialidades médicas e leito de UTI clínico adulto e pediátrico.

Ao lado do provedor da instituição, Saulo Levindo Coelho, o candidato tucano assegurou que, se eleito, terá a saúde como prioridade da gestão. "Estamos muito preocupados com os doentes crônicos, os diabéticos, hipertensos e obesos. São eles que se tornam clientes rapidamente aqui da Santa Casa para internação e cirurgia. Então queremos trabalhar muito a prevenção", disse João Leite. O tucano lembrou ainda que a Santa Casa é referência no atendimento a pacientes dependentes do SUS.

O provedor Saulo Coelho ressaltou que o hospital tem um "problema cronico", que é o baixo repasse de verbas pelo poder público, mesmo tendo uma tabela de custos 40% inferior em relação aos demais hospitais. O resultado desse aperto financeiro é que mais pessoas poderiam ser atendidas com a mesma estrutura e equpe medica do hospital.

 

 Visita a casas


Na Vila Maria, Rodrigo Pacheco visitou a casa de dona Maria Raimunda Pereira e do senhor Paulo Luciano Pereira, lideranças comunitárias do bairro. O casal pediu ao candidato melhorias no atendimento à saúde e transporte público para o bairro, que faz divisa com Sabará, Região Metropolitana de BH, e mais cultura e lazer. Integrante do Conselho Municipal do Idoso, dona Raimunda também pediu ao candidato para, caso seja eleito, garantir mais formas de lazer e cultura para o bairro e melhores condições para o funcionamento do conselho.

Aos 66 anos de idade, do Raimunda conta que nunca tinha ido a um teatro até o dia em que foi empossada conselheira. "Foi lá no Teatro Marília a posse. Foi a primeira vez na minha vida que coloquei o pé em um teatro. É que para a população da periferia não tem muita opção de lazer", reclamou a dona de casa, que tem 66 anos. 

De acordo com o candidato, a escolha em começar oficialmente a campanha em uma vila da periferia da capital teve por objetivo sinalizar a importância que ele pretende dar, caso eleito, às pessoas que mais precisam da atenção do município. "As pessoas que mais precisam são aquelas que estão nas vilas, favelas, aglomerados de Belo Horizonte.

Dessa visita a esse casal de líderes comunitários e de idosos da regiãoa gente tira algumas lições do tipo a saúde não está plenamente adequada em Belo Horizonte,  há um déficit, não de estrutura e equipamento, mas de funcionamento dos equipamentos, das unidades de pronto atendimento, nos hospitais, nas equipes de saúde da família, então temos que considerar em relação à saúde fazer funcionar melhor a estrutura que existe. Em segundo lugar é que há locais em Belo Horizonte , cerca de 13% das residências, que não têm tratamento de esgoto e isso se interliga com a questão da saúde", afirma.

Segundo ele, é preciso interligar todas as áreas da administração de belo Horizonte. "Por isso pregamos a questão da prefeitura integral e da prefeitura 24h", defendeu o candidato, explicando que essa proposta não éde funcionamento 24 h da prefeitura e sim de uma prefetura presente o dia todo na vida da população. 


Sem Lacerda


O candidato do PSD à Prefeitura de Belo Horizonte, vice-prefeito Délio Malheiros, levou um bolo do seu padrinho político, o prefeito Marcio Lacerda (PSB), no primeiro ato público de campanha. A equipe dele convidou a imprensa para uma reunião com representantes do segmento da cultura no Teatro da Cidade com a presença do socialista, mas ele não apareceu.

O candidato chegou com quase uma hora de atraso e se juntou ao candidato a vice na chapa, Josué Valadão, que já aguardava.

Questionado sobre a ausência, Délio disse: “Pode ser que o prefeito venha. Encontro com ele o dia inteiro, ontem estivemos de 7h da manhã a 22h da noite juntos”, afirmou. O vice reafirmou que Lacerda está envolvido em sua campanha, até pelo fato de sua candidatura ser a da continuidade. “O prefeito está dentro de sua rotina de prefeito”, afirmou.

Segundo a assessoria do candidato, que chegou a confirmar mais cedo a participação do prefeito, a presença de Lacerda foi incluída por engano na agenda, mas nunca esteve prevista.

Délio gravou com alguns representantes do segmento cultural. O candidato permitiu algumas fotos e sua assessoria convidou a imprensa a se retirar. “Queremos ter uma série de encontros com o pessoal da cultura que é extramente importante para BH”, disse.


Publicidade